Notícias

Muriaé se prepara para realizar nova Conferência Municipal de Saúde

Publicado em 28/03/2019 às 09h09

Encontro seleciona delegados para atuarem na seleção de propostas que resumam as principais necessidades da saúde básica do município

A primeira etapa da Pré-Conferência Municipal de Saúde aconteceu ontem (27), no auditório do Prontocor. Foram tratados assuntos relativos à 'Consolidação dos princípios do SUS' e aos 'Financiamentos adequados e suficientes para o Sistema Único de Saúde'. No encontro foram escolhidos 12 delegados para participarem da VIII Conferência Municipal de Saúde, que ocorrerá nos próximos dias 4 e 5, de 18h até 22h, no auditório da Unifaminas.

As conferências são encontros de profissionais da saúde onde acontecem palestras e formação de grupos de estudo para estabelecerem as principais propostas que deverão melhorar a saúde no município.

Trinta e seis delegados deverão ser escolhidos nas três pré-conferências que propõem reunir pessoas de todos os bairros e distritos de Muriaé. Doze já foram escolhidos nesta primeira etapa realizada no Prontocor. Mais 12 serão indicados na reunião de hoje, na Associação do Bairro Santana, às 19 horas. Outros 12, amanhã, no encontro que acontecerá no auditório do Hospital São Paulo, no mesmo horário.

O secretário de Saúde, Paulo César de Oliveira, esclareceu sobre as necessidades pelas quais o município passa e as atuais condições da saúde primária.

"As pré-conferências são uma forma de trazer à população para discutirmos as deficiências que acontecem na saúde hoje. Estamos sem receber recursos da esfera estadual e federal. As nossas carências estão principalmente na Atenção Primária. Até hoje não recebemos nem 50% do que deveríamos receber. O município está custeando o serviço praticamente sozinho. Contamos apenas com uma mínima participação da União", lembrou o secretário.

A presidente do Conselho de Saúde de Muriaé, Jaqueline Ribeiro, falou da importância de cada representante trazer as carências de seu bairro ou extensões próximas. "Tais pessoas devem trazer todas as necessidades da população em relação à saúde básica para que os delegados escolham aquelas que melhor classificam as deficiências da cidade", enfatizou.  

As propostas selecionadas pelos delegados serão enviadas para a esfera estadual. Logo após a conferência em Belo Horizonte, sairão novas indicações, com as necessidades dos municípios mineiros, que deverão ser direcionadas para um encontro nacional. Tão logo isto aconteça, será montado um laudo das maiores deficiências na saúde do país.

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Patrulha mecanizada facilita trabalho de produtores rurais em Muriaé

Publicado em 26/03/2019 às 16h47

Prefeitura concede equipamento em sistema de rodízio para arar terra e facilitar plantio de sementes

A patrulha mecanizada está prestando serviço para os pequenos produtores rurais que fazem parte da Agricultura Familiar. As atividades foram realizadas por último na Fazenda Capoeira, na comunidade de São João do Glória. A propriedade teve seu terreno completamente preparado e arado, pronto para receber o plantio de amendoim.

O trator fez o serviço de gradiar e arar a terra. Um serviço demorado para ser realizado manualmente. O equipamento vem sendo concedido, em sistema de rodízio, pela Secretaria de Agricultura da Prefeitura de Muriaé. Para o pequeno produtor não compensa ter equipamentos deste tipo para usar uma ou duas vezes ao ano. As patrulhas mecanizadas garantem mais agilidade e favorecem a produção dos agricultores.

“Eu produzo amendoim em 12 hectares de terra. Ele tem a mesma rentabilidade do café. É fácil de brotar em nossa região, rica em terreno arenoso. Com a ajuda do trator mecanizado, a produção é feita em um tempo mais curto. O processo é mais rápido. Faço em alguns dias, aquilo que faria em  semanas. Além destas sementes, eu cultivo o plantio de banana maça. Vendo para Muriaé e Itaperuna”, explicou o agricultor, Mário Lorete, um dos contemplados pelo serviço.

O benefício contribui muito para o crescimento da economia local. Com a patrulha mecanizada a terra também pode ser preparada para plantio do arroz, feijão, milho e outras sementes. No caso do amendoim, ele é vendido para a cidade de Itaperuna por R$12,00 o quilo do produto na cor preta e R$10,00 o vermelho. Os produtores chegam a produzir mais de 200 sacas, obtendo bons lucros.

Para conseguir o serviço deste trator é preciso entrar em contato com a Secretaria de Agricultura ou procurar o almoxarifado da Prefeitura que fica localizado na Rua Francisco Teodoro Filho, bairro São José. “Fazemos uma tabela de atendimento. Para participar é preciso pertencer ao Programa da Agricultura Familiar. Aqueles que desejarem receber o benefício podem nos procurar pela manhã ou ligar para a secretaria para agendarmos”, disse o secretário da pasta, Manoel Carvalho.

Serviço:

Préstimo da Patrulha Mecanizada

Telefone da Secretaria de Agricultura: 3696 – 3368 ou 3721-9854

Almoxarifado: 3729-1203

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

UNIFAMINAS divulga vaga de emprego

Publicado em 26/03/2019 às 16h38

O Unifaminas, campus Muriaé, divulga vaga de emprego para o cargo de Pesquisador Institucional

 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Cresce em 264% o número de casos de dengue no país

Publicado em 26/03/2019 às 09h17

Os óbitos pela doença também aumentaram 67%, entre 30 de dezembro e 16 de março de 2019, em comparação ao mesmo período de 2018, sendo a maior concentração no estado de São Paulo

O sistema de vigilância de estados e municípios e toda a população devem reforçar os cuidados para combater o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. O alerta do Ministério da Saúde é devido ao aumento de 264,1% dos casos de dengue no país, que passaram de 62,9 mil nas primeiras 11 semanas de 2018 para 229.064 no mesmo período deste ano (até 16 de março). A incidência, que considera a proporção de casos em relação ao número de habitantes, tem taxa de 109,9 casos/100 mil habitantes até 16 de março deste ano. O número de óbitos pela doença também teve aumento, de 67%, sendo grande parte no estado de São Paulo.

O secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Wanderson Kleber, reforça que a melhor forma de evitar o agravamento e as mortes por dengue é com diagnóstico e tratamento oportunos. “O Brasil vem de dois anos seguidos com baixa ocorrência de dengue, portanto é necessário que os profissionais de saúde estejam atentos a esse aumento de casos. É preciso que eles estejam mais sensíveis e atentos para a dengue na hora de fazer o diagnóstico. Quanto mais cedo o paciente for diagnosticado e der início ao tratamento, menor o risco de agravamento da doença e de evoluir para óbito”, explica Wanderson.

Ainda de acordo com o secretário, apesar do aumento expressivo no número de casos, a situação ainda não é considerada uma epidemia. No último ano de epidemia no país, em 2016, foram registrados 857.344 casos da doença no mesmo período. Contudo, ele reforça que é preciso intensificar as ações de combate ao Aedes aegypti para que o número de casos de dengue não continue avançando no país.

Alguns estados têm situação mais preocupante, por apresentarem alta incidência da doença, ou seja, estão com a incidência maior que 100 casos por 100 mil habitantes: Tocantins (602,9 casos/100 mil hab.), Acre (422,8 casos/100 mil hab.), Mato Grosso do Sul (368,1 casos/100 mil hab.), Goiás (355,4 casos/100 mil hab.), Minas Gerais (261,2 casos/100 mil hab.), Espírito Santo (222,5 casos/100 mil hab.) e Distrito Federal (116,5 casos/100 mil hab.).

A região Sudeste apresentou o maior número de casos prováveis (149.804 casos; 65,4 %) em relação ao total do país, seguida das regiões Centro-Oeste (40.336 casos; 17,6 %); Norte (15.183 casos; 6,6 %); Nordeste (17.137 casos; 7,5 %); e Sul (6.604 casos; 2,9 %). As regiões Centro-Oeste e Sudeste apresentam as maiores taxas de incidência, com 250,8 casos/100 mil hab. e 170,8 casos/100 mil hab., respectivamente.

Em relação aos óbitos, os profissionais devem ficar atentos. O aumento neste ano é de 67% em relação ao mesmo período de 2018, passando de 37 para 62 mortes. Destaque para o estado de São Paulo, que registrou 31 óbitos, o que representa 50% do total registrado em todo o país.

COMBATE AO AEDES - DENGUE

As ações de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti são permanentes e tratadas como prioridade pelo Governo Federal. Todas as ações são gerenciadas e monitoradas pela Sala Nacional de coordenação e Controle para enfrentamento do Aedes, que atua em conjunto com outros órgãos, como o Ministério da Educação; da Integração, do Desenvolvimento Social; do Meio Ambiente; Defesa; Casa Civil e Presidência da República. A Sala Nacional articula com as Salas Estaduais e Municipais (2.166) as ações de mobilização e também monitora os ciclos de visita a imóveis urbanos no Brasil, que são vistoriados pelos agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias.

O Ministério da Saúde também oferece continuamente aos estados e municípios apoio técnico e fornecimento de insumos, como larvicidas para o combate ao vetor, além de veículos para realizar os fumacês, e testes diagnósticos, sempre que solicitado pelos gestores locais. Entre janeiro e março deste ano, a pasta já enviou mais de 90 mil reações do teste Elisa para diagnóstico de dengue aos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (LACENs) estaduais. Para o diagnóstico das doenças zika e chikungunya, e também dengue, todos os laboratórios do país estão abastecidos com o teste em Biologia Molecular. Também são investidos recursos em ações de comunicação, como campanhas publicitárias e divulgação nas redes sociais, junto à população.

Para estas ações, a pasta tem garantido orçamento crescente aos estados e municípios. Os recursos para as ações de Vigilância em Saúde, incluindo o combate ao Aedes aegypti, cresceram nos últimos anos, passando de R$ 924,1 milhões, em 2010, para R$ 1,73 bilhão em 2018. Este recurso é destinado à vigilância das doenças transmissíveis, entre elas dengue, zika e chikungunya e é repassado mensalmente a estados e municípios.

ZIKA

Em 2019, até 02 de março, foram registrados 2.062 casos de Zika, com incidência de 1,0 caso/100 mil hab. Em 2018, no mesmo período, foram registrados 1.908 casos prováveis.

Entre as Unidades da Federação, destacam-se Tocantins (47,0 casos/100 mil hab.) e Acre (9,5 casos/100 mil hab.). Em 2019, não foram registrados óbitos por Zika.

CHIKUNGUNYA

Em 2019, até 16 de março, foram registrados 12.942 casos de chikungunya no país, com uma incidência de 6,2 casos/100 mil hab. Em 2018, foram 23.484 casos – uma redução de 44%.

Na análise dos estados, destacam-se entre as maiores incidências o Rio de Janeiro (39,4 casos/100 mil hab.), Tocantins (22,5 casos/100 mil hab.), Pará (18,9 casos/100 mil hab.) e Acre (8,6 casos/100 mil hab.). Em 2019, não foram confirmados óbitos por chikungunya. No mesmo período de 2018, foram confirmadas nove mortes.

Dados do Ministério da Saúde apontam que o número de casos de dengue no estado de Minas Gerais teve aumento de 734% em comparação com o mesmo período do ano passado. Até o dia 16 de março deste ano, o estado notificou 54.961 casos da doença. No mesmo período de 2018, foram 6.586 casos. A incidência no estado é de 261,2 casos/100 mil habitantes. Minas Gerais registrou sete óbitos em decorrência da doença neste ano.

Situação epidemiológica do estado em relação a dengue, chikungunya e zika:

Minas Gerais

Dengue

Chikungunya

Zika

2018

2019

2018

2019

2018

2019

Número de casos

6.586

54.961

2.854

716

40

146

Incidência

31,3

261,2

13,6

3,4

0,2

0,7

 

Por Camila Bogaz, da Agência Saúde

Categoria: Brasil, Geral
Comentários (0) e Compartilhar

Unifaminas abre oportunidade de emprego

Publicado em 25/03/2019 às 18h16

O Unifaminas, Campus Muriaé, abre oportunidade de emprego para Pedagogo

 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Profissionais de saúde recebem capacitação sobre novas formas de vacinar

Publicado em 25/03/2019 às 09h13

Objetivo foi ampliar número de pessoas treinadas para BCG e ensinar outras formas de administrar antirrábica

Novas medidas foram determinadas pelo Programa Nacional de Vacinação para 2019. Deste modo, a Secretaria de Saúde da Prefeitura de Muriaé em parceria com a Gerência Regional de Saúde de Ubá (GRS) reuniram os profissionais da rede municipal e do Hospital São Paulo, na última semana, para realizarem capacitação sobre as novas técnicas para aplicação de vacinas BCG e antirrábica.

A capacitação foi realizada com o objetivo de ampliar o número de profissionais que saibam aplicar as vacinas de forma correta. “Nossa maior finalidade foi aumentar o número de funcionários que saibam administrar a vacina BCG. O outro motivo foi treinar enfermeiros e técnicos para a forma de administrar a dose da antirrábica via intradérmica. Muitos não sabem que ela pode ser aplicada de forma intramuscular (introduzida dentro do tecido muscular) e intradérmica (superficialmente na pele)”, declarou a técnica de enfermagem do Centro de Distribuição de Vacinas, Aline Freitas.

Outra medida que trouxe mudanças nas regras da vacinação para 2019 foi a Nota Informativa nº 10, da Organização Mundial de Saúde (OMS), que diz respeito às adaptações realizadas quanto à vacinação contra a tuberculose: ‘Crianças que receberam a vacina BCG e não desenvolveram a cicatriz vacinal, não devem ser revacinadas, independente do tempo transcorrido após a vacinação’ (NI nº10).

A vacina BCG é aplicada em Muriaé no Hospital São Paulo e na Unidade de Saúde Barra II. A antirrábica pode ser encontrada também no HSP ou nas UBS’s Barra II e Unidade São Francisco.  

Quem pode vacinar?

A vacinação BCG é permitida para recém-nascidos e para crianças menores de 5 anos. Ela previne a doença tuberculose, uma doença infectocontagiosa, que ataca mais comumente os pulmões, mas pode também causar infecções nos ossos, rins e meninges (as membranas que envolvem o cérebro). A dose deve ser dada ao nascer, nas maternidades, ou na primeira visita da criança a um serviço de saúde.

A antirrábica é indicada para a profilaxia da raiva humana. Ela é administrada em pessoas expostas ao vírus da raiva (ex: mordida de cachorro desconhecido ou morcego). Para receber a dose é necessário passar por avaliação médica e receber a prescrição. A imunidade adquirida com a vacinação é de curta duração. As doses são normalmente administradas através de injeção na pele ou no músculo.

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Ministério da Saúde faz campanha publicitária de alerta sobre tuberculose

Publicado em 23/03/2019 às 10h05

O público-alvo são homens de 25 a 40 anos, população mais afetada pela doença. O tratamento precoce e sem interrupção é essencial para a cura da tuberculose

 

Para marcar o Dia Mundial de Combate à Tuberculose e ampliar o acesso à informação, o Ministério da Saúde lança, no domingo (24/3), uma campanha publicitária chamando a atenção para a importância de observar os sintomas da doença. A campanha será voltada para homens entre 25 e 40 anos, os mais afetados pela tuberculose. Com um slogan “com o apoio de todos, vamos acabar com a tuberculose”, a campanha alerta para o diagnóstico precoce e o tratamento sem interrupção, essenciais para a cura da doença.

As peças publicitárias serão veiculadas em rádio, redes sociais, cartazes, outdoors, painéis em rodoviárias, barcos, entre outros meios. Também foram firmadas parcerias com bancos, empresas de telefonia e outras empresas para ampliar a divulgação.

A tuberculose é um desafio para os países. Em 2017, estima-se que 10 milhões de pessoas adoeceram por tuberculose e que a doença tenha causado 1,3 milhão de óbitos, o que a mantém entre as 10 principais causas de morte no planeta. A incidência da doença foi 34,8 casos por 100 mil habitantes. Em 2017, dados apontam 4.534 óbitos por tuberculose, resultando em um coeficiente de mortalidade de 2,2 óbitos/100 mil habitantes.

O Brasil atingiu as Metas dos Objetivos do Milênio (ODM) de combate à tuberculose, que previa reduzir, até 2015, o coeficiente de incidência e de mortalidade da doença em 50% quando comparado com os resultados de 1990. Em 2018, foram registrados 72,8 mil casos novos no país.

Apesar de ter avançado, o brasileiro deve ficar sempre alerta, como afirma Denise Arakaki, coordenadora do Programa Nacional de Controle da Tuberculose do Ministério da Saúde. “Começar o quanto antes o tratamento, que é garantido gratuitamente nas unidades públicas de saúde, e mantê-lo até o final é essencial para atingir a cura da doença”, afirma Arakaki.  

Para intensificar os esforços no combate à doença, o Ministério da Saúde lançou, em 2017, o Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose, que ratifica o compromisso com a OMS de acabar com a tuberculose como um problema de saúde pública. O plano apoia as três esferas de governo na identificação de estratégias para reduzir a incidência para menos de 10 casos por 100 mil habitantes e as mortes para menos de 1 óbito por 100 mil habitantes até 2035. 

Prevenção à tuberculose

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento para a tuberculose sensível e resistente, além do tratamento da infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis, com uma variedade de medicamentos. Para as crianças, a principal maneira de prevenir as formas graves da tuberculose é com a vacina BCG  também ofertada no SUS.

Outra forma é identificar a “infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis ” em pessoas que tiveram contato com alguém com tuberculose. Neste caso, é necessário procurar uma unidade de saúde, já que, pessoas que possuem o bacilo recebem medicamentos para prevenir o adoecimento.

Por Camila Bogaz, da Agência Saúde

 

Categoria: Brasil, Geral
Comentários (0) e Compartilhar

Concurso Ibama 2019: Pedido com 1.888 vagas registra movimentações

Publicado em 21/03/2019 às 09h49

Edital é um dos mais aguardados por concurseiros. Se autorizado, certame contará com vagas nos níveis médio e superior. Ganhos iniciais de até R$ 9 mil!

Categoria: Brasil, Geral
Comentários (0) e Compartilhar

Unifaminas e Colégio Equipe realização peneira para formação de time de vôlei sub 15

Publicado em 20/03/2019 às 12h49

O UNIFAMINAS está desenvolvendo um projeto em parceria com o Colégio Equipe, que consiste na realização de uma peneira para formação do time sub 15 de vôlei, visando participação no campeonato mineiro da categoria.

Podem participar jovens nascidos entre 2004 e 2007, dos secxos masculino e feminino.

Confira os detalhes:

Categoria: Muriaé, Região
Comentários (0) e Compartilhar

Família na Praça inova ao oferecer exames preventivos em Miradouro

Publicado em 19/03/2019 às 09h44

Centenas de pessoas participaram do programa Família na Praça, do Sistema Faemg / Senar Minas, na Praça Santa Rita de Cássia, em Miradouro. O domingo (17) foi marcado por atividades gratuitas de lazer, saúde e cultura para todas as idades, incluindo atrações musicais locais e o show de Saulo Laranjeira. A novidade desta edição foi a realização dos programas especiais de saúde da mulher e do homem. O evento também contou com a parceria do Sindicato de Produtores Rurais e da Prefeitura.

Foram disponibilizados exames preventivos de Câncer de Próstata, Câncer de Útero (Papanicolau) e Câncer de Mama (Mamografia), em parceria com Fundação Cristiano Varella. No total, foram contabilizados mais de 180 exames para homens e mulheres. Para a supervisora da campanha de prevenção, Paula Carneiro de Oliveira, o resultado da parceria foi positivo.

“Foi a nossa primeira parceria junto ao Senar e a campanha foi muito boa. Conseguimos a adesão de muitas pessoas. A prevenção é a melhor forma de combater a doença, que tem crescido nos últimos tempos. A parceria tem só a crescer”, analisou.

A gerente regional do Senar Minas em Viçosa, Silvana Novais, destacou o interesse dos moradores pelos exames. “Superamos a expectativa nesta primeira vez que oferecemos os programas especiais de saúde do homem e da mulher, especialmente no que se refere à procura do público masculino. O número de atendimentos foi muito bom”, enfatizou.

O superintendente do Sistema Faemg / Senar Minas, Christiano Nascif, esteve presente pela primeira vez no programa e frisou o papel do Sistema junto ao público rural.

“É fundamental estar envolvido em eventos como este, promovendo a saúde do homem e da mulher. No campo, eles às vezes têm dificuldade de acesso e ausência de conhecimento sobre a prevenção. Fiquei surpreendido com a demanda pelos exames de saúde do homem. Acho muito interessante mostrar que esta é a nova cara do sistema: priorizar a saúde, a nutrição, a sucessão e a valorização do público rural. Dessa maneira, eles passam a enxergar o agro de uma forma diferente e o público urbano também”.



Saúde e Prevenção

Os profissionais da saúde que realizaram as consultas e exames destacam a importância da prevenção. O médico Luis Octtávio Ferreira Rodrigues alerta que o câncer de próstata tem tido incidência crescente nos últimos anos.

“A prevenção é extremamente importante no sentido de diagnosticar esse câncer com antecedência. É uma doença silenciosa que é passível de cirurgia ou radioterapia sem trazer consequência para a vida do paciente, que pode ficar livre da doença se ela for diagnosticada precocemente. A partir dos 40 anos já é importante iniciar a prevenção com um urologista”, orientou.

Na unidade móvel da Fundação Cristiano Varella, foram realizados os exames papanicolau e mamografia. A médica Tatiana Campos do Amaral alertou que é importante fazer os exames desde o início da vida sexual, mas especialmente na idade de risco de câncer, que, segundo ela, é a partir dos 40 anos.

“Esses exames são importantes para o rastreamento do câncer e outras doenças, como as sexualmente transmissíveis”, acrescentou.

Fernando Luiz da Silva, de 65 anos, e Celso Machado Aguiar, de 56, foram alguns dos que enfrentaram fila para fazer os exames. “Devido às condições financeiras, decidi aproveitar para fazer o exame aqui”, comentou Fernando. “Preferi fazer de uma vez porque tinha muito tempo que não fazia o exame”, disse Celso.

A produtora Maria das Graças Silva, de 63 anos, fez o exame preventivo na parte da tarde. “Foi bom porque trouxe a oportunidade de a gente fazer o exame”, agradeceu.

Cultura, lazer e saúde

Entre as atividades, foram oferecidos teatro de marionete, fotografia da família, atividades circenses, pintura de rosto, confecção de fantoche e artesanato. Apresentaram-se a cantora Lorena, o Terço dos Homens, teatro de marionetes e o multiartista mineiro Saulo Laranjeira (foto abaixo). “É uma importante iniciativa de valorizar o encontro da comunidade na praça”, disse ao final de seu show.

Para as crianças e jovens, a Rua de Lazer reservou jogos e diversão: cama elástica, pula-pula, jogos educativos, futebol e vôlei. Houve ainda tendas com jogos de tabuleiro, oficina de bolha de sabão gigante e contação de histórias.

Os serviços de higiene e saúde ofertados foram aferição da pressão arterial, campanha de saúde bucal, corte de cabelo e exame oftalmológico. Houve ainda a oportunidade de tirar o CPF.

O casal Maria Aparecida Silva e Zilvan Luis dos Santos saiu da fazenda deles, perto do município, e levaram os filhos para curtir o evento Família na Praça. Enquanto os pais aguardavam para fazer a consulta com os oftalmologistas, as crianças aproveitaram as brincadeiras e jogos.

“Foi muito bom para a gente ter acesso. Nós dois vamos fazer o exame de vista. E meus filhos gostam demais de brincar”, disse Zilvan.

Parceria

O Sistema Faemg / Senar Minas contou com a parceria da Prefeitura na organização do evento e no transporte dos produtores rurais para o local do evento. “Nossa parceria com o Senar é de longa data. Com o evento, pudemos levar cultura, entretenimento e saúde para as famílias de Miradouro”, destacou o prefeito Almiro Marques Lacerda Filho.

“O programa Família na Praça prestou serviço para a população. No dia a dia, eles não têm acesso a uma programação tão rica como esta. O pessoal ficou muito satisfeito”, avaliou a mobilizadora do Sindicato de Produtores Rurais de Miradouro, Maria Rita Leite.

Categoria: Região
Comentários (0) e Compartilhar

left show tsN fwR fsN|left fwR tsN|left show fwR tsN|bnull|||login news c05|fsN fwR normalcase c05 tsN|c05|login news fwR normalcase c05|tsN fwR c05 normalcase|normalcase fwR c05|content-inner||