Saúde

Fluoxetina emagrece? Estudo alerta que você pode engordar ainda mais

Publicado em 05/04/2019 às 17h50

Se falarmos que fluoxetina emagrece, fica claro que as pessoas não estão se importando muito com sua ação no organismo. Há uma busca grande por uso dessa substância com fins de emagrecimento. Na verdade, há tempos que  a fluoxetina tem sindo considerada o melhor antidepressivo para emagrecer.

Assim, fomos buscar o esclarecimento de porque você não deve usar cloridrato de fluoxetina para emagrecer. Na verdade, você pode engordar!

O QUE É FLUOXETINA?

É um antidepressivo que age no sistema nervoso atuando no cérebro e interferindo na produção e absorção de serotonina, um neurotransmissor responsável pelo nosso bom humor e sensação de bem-estar. Começar o texto com definições é, algumas vezes, muito importante.

Assim é possível ter noção do tipo de medicamento que estamos tratando. Na farmácia você pode encontrar a fluoxetina genérica (Cloridrato de fluoxetina) ou os nomes fantasia: Prozac, Fluxene, Verotina, Eufor 20, Fludac e Daforin.

POR QUE FLUOXETINA EMAGRECE?

De acordo com o Dr. Juliano Pimentel, a não ser no tratamento de bulimia nervosa ou compulsão alimentar severa, a fluoxetina não é indicada para emagrecimento.

Ou seja, ela não atua no centro da fome, como muitas pessoas pensam. O resultado que leva ao emagrecimento em muitos casos, é um efeito colateral do medicamento. O médico explica que por tirar a ansiedade e alterar o paladar e o apetite, muitos usuários acabam por perder peso, sobretudo no início do tratamento.

Por causa disso, há sempre a pergunta se a fluoxetina emagrece ou engorda.

QUANDO A FLUOXETINA ENGORDA?

O cérebro é uma máquina com várias peças ainda desconhecidas. Assim, o que funciona para uns, pode ter efeito contrário para outros. Por isso, não dá para definir exatamente se a fluoxetina engorda ou emagrece.

Um estudo publicado na revista científica Molecular Psychiatry (1) estudou os efeitos da fluoxetina no hipocampo do cérebro e concluiu que a perda de peso está relacionada com a perda do apetite. Contudo, ao aumentar a serotonina no organismo, o medicamento promove o bem-estar. Assim, se sentindo melhor, o apetite pode aumentar e não diminuir como esperam muitas pessoas.

Outro estudo, publicado no The American Journal of Clinical Nutrition (2), estudou 45 pessoas obesas, em dois grupos. Um dos grupos usou fluoxetina diariamente por 52 semanas, enquanto o segundo, tomou placebo. No início do tratamento, até a semana 29, os usuários de fluoxetina perderam mais peso que o grupo placebo.

Mas, no final do estudo, os usuários de fluoxetina engordaram novamente e atingiram o mesmo peso anterior. E, por fim, alguns estavam ainda mais gordos.

FLUOXETINA EMAGRECE EM QUANTO TEMPO?

Este efeito de perda de peso limitado ao início do tratamento foi relatado em diversos outros estudos. Uma compilação publicada no The Journal of Clinical Psychiatry (3), revelou que o efeito “emagrecedor” da fluoxetina é limitado à fase aguda inicial do tratamento.

Ao mesmo tempo, não há como definir quantos quilos a fluoxetina emagrece em um mês. “O efeito do antidepressivo pode variar muito e depende das características de cada indivíduo”, disseram os autores.

Por fim, o estudo diz que a longo prazo, fica evidente de que a perda de peso é ilusória e que fluoxetina pode engordar.

A explicação para esta perda de peso seguida de ganho de peso foi explicada no estudo publicado na revista Biological Psychiatry (5). “A inversão no padrão da semana 1 à semana 6, sugere um processo de adaptação em regiões cerebrais específicas ao longo do tempo.” “É uma resposta à inibição sustentada da recaptação da serotonina”, diz o estudo.

Com isso, alguns pesquisadores até mesmo alertam que é possível que parar de tomar fluoxetina engorda.

QUEM PODE TOMAR FLUOXETINA PARA EMAGRECER

A princípio, ninguém deve tomar fluoxetina para emagrecer. Isso deve ser seriamente controlado por um médico. Mas um estudo publicado na International Journal of Obesity (4) sugere que os efeitos emagrecedores da fluoxetina podem funcionar bem para pessoas obesas que estão dentro do grupo de obesidade mórbida, diabético tipo II e o grupo dos hipertensos.

No entanto, segundo o estudo, este tratamento precisa ser acompanhado por um psiquiatra que deverá avaliar as mudanças de comportamento.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Há uma dúvida se o cloridrato de fluoxetina emagrece. Hoje, há diversas pessoas buscando formas de  incluir a fluoxetina na sua rotina na esperança de não emagrecer. Contudo, alguns estudos estão afirmando que, para algumas pessoas, o cloridrato de fluoxetina engorda.

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 5 DE ABRIL DE 2019 ARTIGOS MÉDICO-CIENTÍFICOS: MOLECULAR PSYCHIATRY (1)/ THE AMERICAN JOURNAL OF CLINICAL NUTRITION (2) /THE JOURNAL OF CLINICAL PSYCHIATRY (3) / INTERNATIONAL JOURNAL OF OBESITY (4) / BIOLOGICAL PSYCHIATRY (5)

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 

Fonte: Diário de Biologia

Ao mesmo tempo, não há como definir quantos quilos a fluoxetina emagrece em um mês.

O efeito do antidepressivo pode variar muito e depende das características de cada indivíduo”, disseram os autores.

Por fim, o estudo diz que a longo prazo, fica evidente de que a perda de peso é ilusória e que fluoxetina pode engordar.

A explicação para esta perda de peso seguida de ganho de peso foi explicada no estudo publicado na revista Biological Psychiatry (5).

“A inversão no padrão da semana 1 à semana 6, sugere um processo de adaptação em regiões cerebrais específicas ao longo do tempo.”

“É uma resposta à inibição sustentada da recaptação da serotonina”, diz o estudo.

Com isso, alguns pesquisadores até mesmo alertam que é possível que parar de tomar fluoxetina engorda.

QUEM PODE TOMAR FLUOXETINA PARA EMAGRECER

A princípio, ninguém deve tomar fluoxetina para emagrecer.

Isso deve ser seriamente controlado por um médico.

Mas um estudo publicado na International Journal of Obesity (4) sugere que os efeitos emagrecedores da fluoxetina podem funcionar bem para pessoas obesas que estão dentro do grupo de obesidade mórbida, diabético tipo II e o grupo dos hipertensos.

Fluoxetina emagrecer: Você pode engordar mais ainda

Imagem mostra a sinapse de um neurônio. Há uma transmissão de impulso usando neurotransmissores que são liberados e continuamente sujeitos a recaptação. Antidepressivos, como a Fluoxetina, funcionam bloqueando a recaptação da serotonina, deixando-a disponível.

No entanto, segundo o estudo, este tratamento precisa ser acompanhado por um psiquiatra que deverá avaliar as mudanças de comportamento.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Há uma dúvida se o cloridrato de fluoxetina emagrece.

 

Hoje, há diversas pessoas buscando formas de  incluir a fluoxetina na sua rotina na esperança de não emagrecer.

Contudo, alguns estudos estão afirmando que, para algumas pessoas, o cloridrato de fluoxetina engorda.

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 5 DE ABRIL DE 2019 ARTIGOS MÉDICO-CIENTÍFICOS: MOLECULAR PSYCHIATRY (1)/ THE AMERICAN JOURNAL OF CLINICAL NUTRITION (2) /THE JOURNAL OF CLINICAL PSYCHIATRY (3) / INTERNATIONAL JOURNAL OF OBESITY (4) / BIOLOGICAL PSYCHIATRY (5)

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


 
 
 


queroemagrecer
Categoria: Ciência, Saúde
Comentários (0) e Compartilhar

Última etapa da Pré-Conferência Municipal de Saúde ressaltou as

Publicado em 29/03/2019 às 16h49

Democracia e saúde foram os assuntos debatidos durante o encontro no Hospital São Paulo

A terceira e última noite da Pré-Conferência Municipal de Saúde aconteceu nesta quinta-feira (29), no auditório do Hospital São Paulo. Usuários, profissionais e gestores de instituições de saúde participaram da reunião de ontem. Para explanar sobre o assunto "Democracia e Saúde: Consolidação e financiamento do SUS" o convidado foi médico ginecologista, Richard Rodrigues.

O principal foco foi a real situação financeira da saúde em Muriaé, assim como os processos de judicialização. O secretário da pasta, Paulo César de Oliveira, esclareceu sobre a sua preocupação em relação ao atraso nos repasses do estado para o município que já chega a mais de R$80 milhões.

A Pré-Conferência tem como objetivo atrair um número cada vez maior de pessoas para a Conferência Municipal de Saúde que debaterá o assunto 'Democracia e Saúde', sob um ângulo mais extensivo. O evento reunirá segmentos representativos da sociedade, para debater a situação de saúde e propor diretrizes para a formulação de novas políticas públicas.

O encontro municipal acontecerá na próxima semana, quinta-feira (4) e sexta-feira (5) no horário das 18h até as 22h, no auditório do Unifaminas, que fica localizado na Avenida Cristiano Varella, 655, bairro Universitário.

Categoria: Saúde
Comentários (0) e Compartilhar

Vídeo mostra como é feita a jujuba (bala de goma). Aguente firme!

Publicado em 14/03/2019 às 17h41

Aposto que você sempre quis saber como é feita a jujuba. Afinal, quem resiste a uma bala de goma docinha e pegajosa nos dentes? As cores brilhantes e chamativas, todo aquele açúcar e um sabor delicioso!

Os marshmallows então, fofinhos e doces. Jujubas, balas de goma, marshmallows, estão com os dias contados como seus doces preferidos.

Você sabe como eles são produzidos? Este vídeo abaixo mostra como é feita a jujuba (bala de goma). Então, segure seu coração e aguente firme!

Antes de contar como são processados, precisamos dizer que eles têm como base um ingrediente-chave na receita: a gelatina.

OS INGREDIENTES DA JUJUBA

Esse componente, que também é amplamente utilizado na indústria alimentícia, farmacêutica e em outras áreas quase sempre é obtido do colágeno, de fonte animal.

Contudo, nem tudo são flores na forma como é feita a jujuba. Afinal, o colágeno é obtido da fervura dos ossos, pele ou qualquer órgão contendo tecido conjuntivo de alguns animais, como porcos, vacas, cavalos e aves.

Com isso, antes de ser processada e virar uma massa incolor, sem sabor e inodora, a gelatina é proveniente de animais em abatedouros e curtumes.

Os processos que levam a obtenção da gelatina podem ser perturbadores, e vídeos sobre isso estão sendo divulgados recentemente.

COMPOSIÇÃO DA JUJUBA

O site de uma das marcas de jujubas mais famosas do mundo, a Haribo®, eles explicam do que é feito a jujuba:

  • Gelatina de origem animal como material de base;
  • Alguns produtos de gomas de fruta são produzidos com o auxílio de amidos ou de ágar-ágar ;
  • Corantes (no caso da Haribo® são naturais à base de concentrados de frutas e de plantas;
  • Os produtos combinados são: açúcar, xarope de açúcar castanho, gelatina, glucose, concentrados de frutas e de plantas e aromas, combinados com alcaçuz.

O VÍDEO MOSTRA COMO É FEITA A JUJUBA

JUJUBA FAZ MAL?

Mesmo com essa fama nada boa de fabricação, há quem diga que essas balinhas fazem bem para a saúde.

Afinal, sem adição de gorduras e açúcares, a jujuba é feita à base de colágeno hidrolisado. E, por isso, algumas marcas livre de açúcares podem ser consumidas por pessoas com sintomas de diabetes.

Esse tipo de proteína tem como função principal dar sustentação às células e fortalecer unhas e cabelos. Além disso, pode combater o envelhecimento precoce, a flacidez dos músculos e pele.

Então, para deixar o docinho ainda mais apetitoso e também atrativo, são adicionados aromas de frutas.

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 

Fonte: Diário de Biologia

 

 
Categoria: Animais, Saúde
Comentários (0) e Compartilhar

Taxas de óbito por AVC e doenças cardíacas caem entre as mulheres

Publicado em 08/03/2019 às 16h01

Estudo do Ministério da Saúde apontou que em seis anos, índice caiu 11% nos óbitos por Acidente Vascular Cerebral e 6,2% por doenças cardíacas, nas mulheres entre 30 e 69 anos

Entre 2010 e 2016, as taxas de mortalidade por Acidente Vascular Cerebral (AVC) e Doenças Cardíacas Isquêmicas, em mulheres, com idades entre 30 a 69 anos, caíram em 11% e 6,2%, respectivamente. A constatação é do estudo Saúde Brasil 2018, realizado pelo Ministério da Saúde e divulgado nesta sexta-feira (08/03), em alusão ao Dia Internacional da Mulher. No mesmo período, o índice para AVC caiu de 39,5 para 35,2 óbitos por 100 mil habitantes do sexo feminino. Já as Doenças Cardíacas apresentaram queda de 55 para 51,6 óbitos por 100 mil.

Para o cálculo destes números, o estudo Saúde Brasil utilizou as populações publicadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); e para a taxa padronizada, o Censo Brasileiro de 2010.

O registro da redução de óbitos nas duas Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT’s) que mais matam no país, já demonstra impacto das ações do Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), que vem sendo desenvolvido pelo Ministério da Saúde com estados e municípios junto à população.

O Plano tem a expansão da Atenção Básica como uma das principais ações de enfrentamento das DCNT’s, uma vez que nessa área é possível resolver até 80% dos problemas de saúde. O conjunto de ações também têm resultado no aumento do acesso a serviços de saúde, diagnóstico precoce e tratamento, além de ações de promoção da saúde.

Apesar da queda, as duas doenças continuam sendo as que mais matam a população feminina entre 30 e 69 anos. Somando todas as idades (de 5 a mais de 70 anos), as doenças cardíacas, AVC, Alzheimer, Infecções Respiratórias e o Diabetes são as cinco principais causas de óbitos entre elas. Das cinco, quatro são Doenças Crônicas Não-Transmissíveis (DCNT’s), as quais possuem quatro fatores de risco em comum: tabagismo, atividade física insuficiente, uso nocivo do álcool e alimentação saudável, todas elas preveníveis.

O levantamento apontou que, na população com faixas etárias entre 30 e 69 anos e com mais de 70 anos, as doenças cardíacas isquêmicas apresentaram as maiores taxas de mortalidade em todas as regiões do país, tanto nos homens como nas mulheres. Já o AVC, ocupou o segundo lugar no ranking das principais causas de óbitos entre as brasileiras de todas as regiões e os brasileiros do Sul e Sudeste, com idades entre 30 a 69 anos. Nas demais localidades, as causas externas (acidentes de trânsito e agressões) ocuparam as segundas e terceiras posições, nesta mesma faixa etária.

As doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como o AVC e as Doenças Cardíacas Isquêmicas, respondem por cerca de 36 milhões, ou 63% das mortes no mundo, com destaque para as doenças do aparelho circulatório, diabetes, câncer e doença respiratória crônica. No Brasil, as DCNT também se constituem como um problema de saúde, correspondendo a 54,0% de todas as mortes, no ano de 2016. Na faixa etária de 30-69 anos, as DCNT representaram 56,1% dos óbitos.

A ocorrência das doenças crônicas não transmissíveis é muito influenciada pelos estilos e condições de vida. A Organização Mundial da Saúde (OMS) inclui como importantes DCNT as doenças do aparelho circulatório (cerebrovasculares, cardiovasculares), neoplasias, doenças respiratórias crônicas e diabetes mellitus. Esse conjunto de doenças tem em comum uma série de fatores de risco resultando na possibilidade de se ter uma abordagem comum para a sua prevenção.

AÇÕES PARA CONTER AS DCNT’s

Para reduzir no número de internações e óbitos, o Ministério da Saúde lançou o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) que tem a expansão da Atenção Básica como uma das principais ações de enfrentamento. Atualmente são 42,9 mil Unidades Básicas de Saúde em funcionamento, 42,6 mil equipes de Saúde da Família que cobrem 64,6% da população, e 263,4 mil Agentes Comunitários de Saúde em todo o país.

O Ministério da Saúde também tem implementado ações de promoção à saúde, com o repasse de recursos para os municípios para para implantar o programa Academia da Saúde. Atualmente, o programa conta com mais 3.800 polos habilitados. O Ministério da Saúde também tem pactuado com a indústria para a redução de açúcar e sal nos alimentos. Para o tratamento, o Governo Federal disponibiliza no SUS medicamentos gratuitos para tratamento de problemas, como cardiovasculares e de hipertensão. 

No geral, dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde mostra redução anual de 2,6% da mortalidade prematura por doenças crônicas entre adultos (30 a 69 anos). Com isso, o país já cumpre a meta para reduzir mortalidade por doenças crônicas parte do Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil 2011-2022. O objetivo inicial era de reduzir as taxas de mortalidade prematuras em 2% ao ano até 2022.

Por Victor Maciel, Da Agência Saúde

Categoria: Ciência, Saúde
Comentários (0) e Compartilhar

Como saber se estou ovulando? Absolutamente tudo que você precisa saber sobre ovulação

Publicado em 08/03/2019 às 09h09

Como saber se estou ovulando?

Na verdade, assim como os ciclos menstruais são diferentes para cada mulher, o mesmo acontece com a ovulação. Aprendendo a reconhecer os sinais da ovulação, você poderá sincronizar as atividades sexuais para aumentar ou diminuir as chances de engravidar.

De fato, muitas mulheres utilizam uma espécie de “calculadora de ovulação” para evitar gravidez ou engravidar mais facilmente. Existem até mesmo um método contraceptivo natural que funciona apostando nesses sinais.

O QUE É OVULAÇÃO

Cada mulher nasce com milhares de óvulos imaturos que esperam ser libertados, normalmente um de cada vez, todos os meses. Então, a ovulação acontece em ciclos com toda mulher em idade fértil. É o momento em que, a partir de estímulos hormonais, o ovário libera um dos milhares de óvulos que armazena.

Depois de sua saída, ele segue pela tuba uterina, onde pode ser fecundado ou não. Para a maioria das mulheres saudáveis, a ovulação ocorre algumas semanas após o início da menstruação.

Quantos dias dura a ovulação? 

Não é possível saber os dias exatos da ovulação, mas o período fértil pode durar em média 8 dias e a fase do corrimento tipo clara de ovo é a mais garantida para engravidar.

COMO SABER SE ESTOU OVULANDO? SINTOMAS MAIS IMPORTANTES

1. OBSERVE A SECREÇÃO VAGINAL

Uma publicação do The Lancet [1] revela que um dos sintomas de ovulação mais nítidos é observar a secreção vaginal. Segundo os autores, a ovulação pode ser identificado clinicamente sem recorrer a medidas e testes especializados. Isso porque, durante a ovulação, o muco vaginal aumenta bastante. A mulher poderá sentir a calcinha molhada, inclusive.

Neste período a secreção tem aparência de clara de ovo, é bem pegajosa, forma um fio quando se pega com os dois dedos e não tem cheiro e nem cor. Se quer engravidar, esse é o melhor momento de fazer sexo, pois esse muco irá durar de 3 a 4 dias.

2. DORES (PONTADINHAS ABDOMINAIS)

Geralmente, os ovários se revezam a cada ovulação. Por isso, é normal sentir dor em um dos lados da barriga, referente ao órgão que está trabalhando naquele período. A Dra. Fernanda Rodrigues, especialista em reprodução assistida do Grupo Huntington, explicou no site do grupo que como a ovulação é o rompimento do folículo (bolsinha com líquido) para a liberação do óvulo. Na maioria das mulheres, este momento causa um desconforto abdominal.  Assim, um dos sintomas de ovulação. Seria uma espécie de cólica fraquinha.

Essa dor, decerto pode ser  dor do lado esquerdo da barriga ou dor do lado direito da barriga.

3. SANGRAMENTO

Apesar de não acontecer com todas as mulheres, muitas liberam a secreção vaginal tipo clara de ovo com algumas estrias de sangue. Isso é normal e ocorre devido ao extravazamento do conteúdo intrafolicular. Ou seja, a saída do óvulo de dentro do folículo pode vir acompanhado de um pequeno sangramento local, outro dos sinais  para saber se está ovulando.

Algumas vezes o sangramento é maior e o líquido com sangue pode se misturar ao corrimento vaginal. Ótimo momento para intensificar o sexo, pois ele indica que o óvulo já foi desprendido do folículo e está a caminho do útero.

4. TEMPERATURA

Outra forma clássica que um dos sintomas de ovulação, é o aumento da temperatura basal. Isso acontece porque o corpo está passando por um período diferenciado e a temperatura interna sofre um aumento de pelo menos 1° C. Para usar esse método é preciso medir a temperatura todos os dias antes de levantar da cama.

Assim, quando observar que ele aumentou pelo menos um grau, é o indicativo que a ovulação pode estar acontecendo. Ótimo momento para encomendar um bebê para a cegonha.

OUTROS SINAIS SUTIS:

  • Intensidade do olfato. Seu olfato pode ficar mais sensível quando você está ovulando
  • Sensibilidade nos seios. A sensibilidade mamária ou senção de peso também pode ser outro sinal de ovulação.
  • Dor pélvica. Algumas mulheres podem sentir a oculação como uma dor leve no baixo-ventre, mas somente de um lado.
  • Alterações na libido. Normalmente as mulheres sentem mais desejo sexual enquanto estão ovulando.

COMO SABER SE ESTOU OVULANDO PELO MUCO

Como já dito, a secreção vaginal muda durante a ovulação. Isso acontece porque, à medida que você se aproxima da ovulação, seu corpo produz mais estrogênio.  

Isso torna o muco cervical mais elástico e claro, como clara de ovo, para facilitar que o espermatozoide possa nadar até o óvulo liberado durante a ovulação.

A quantidade de muco cervical e a textura pode variar de mulher para mulher. Então, para testar a ovulação, insira um dedo limpo na vagina, remova um pouco do muco e depois estique a secreção entre o polegar e o dedo. Se é pegajoso e elástico ou muito molhado e escorregadio, isso é um sinal de que você está ovulando.

COMO SABER SE ESTOU OVULANDO DURANTE A AMAMENTAÇÃO?

Bem, se você está planejando amamentar exclusivamente, ou seja, o bebê não terá outra fonte de nutrição, você provavelmente não irá ovular durante esse período. Mas sempre há exceções, então você não pode depender da amamentação como meio de controle de natalidade, pois pode ter surpresas.

E uma vez que o bebê é introduzido a outros alimentos, mesmo que seja uma única mamadeira por dia, a ovulação provavelmente irá retornar e então, você precisa saber se está ovulando ou não.

Então, mesmo que esteja amamentando, faça uso de métodos contraceptivos, de acordo com a orientação médica, a menos que você queira dar ao bebê um novo irmão ou irmã!

COMO SABER SE ESTOU OVULANDO TOMANDO ANTICONCEPCIONAL

Há, na verdade três situações em que a mulher saudável não ovula, são elas:

  1. Se estiver grávida
  2. Se passou pela menopausa
  3. Se faz uso regular de anticoncepcional

Sendo assim, se você faz uso de anticoncepcionais hormonais, como a pílula e o intradérmico, você não terá período fértil, portanto, na ovula. Um estudo publicado no American Journal Manager Care [2], os anticoncepcionais liberam hormônios que evitam que a mulher ovule. Contudo, o esquecimento de uma pílula que seja, pode alterar as coisas e o ovário liberar o óvulo.

COMO SABER SE ESTOU OVULANDO SE MINHA MENSTRUAÇÃO É IRREGULAR?

Se você está tem seus ciclos menstruais irregulares ou curtos (menos de 21 dias) ou longos (mais de 35 dias), a recomendação é que você seja avaliada pelo seu médico. Isso irá descartar quaisquer condições médicas que possam estar causando esses ciclos irregulares. Contudo, de fato saber se está ovulando com ciclos irregulares pode ser mais difícil do que as mulheres com ciclos normais.

Mas, tenha em mente que a ovulação ocorre 14 dias antes do início da menstruação, portanto, mesmo com períodos irregulares, você ainda pode engravidar em algum momento do ciclo. Para não engravidar, procure evitar essa fase, ou usar preservativos para a atividade sexual.

CONCLUSÃO

Em resumo, a ovulação é a fase em que o óvulo é liberado e caminha pelas tubas uterinas até o útero. Se a mulher tem relações sexuais sem proteção durante essa fase, é possível que o espermatozoide alcance o óvulo e ela engravide. Para saber se está ovulando, observe a temperatura basal, o muco cervical, dores pélvicas leves e outros sinais. Mulheres que fazem uso de métodos contraceptivos hormonais, normalmente, não ovulam.

Para evitar a gravidez, evite atividade sexual durante os dias da ovulação.

ARTIGOS MÉDICOS-CIENTÍFICOS: THE LANCET [1] AMERICAN JOURNAL MANAGER CARE [2]

Fonte: Diário de Biologia

Categoria: Ciência, Saúde
Comentários (0) e Compartilhar

Boca amarga: 7 razões mais comuns para ter gosto amargo na boca

Publicado em 07/03/2019 às 08h44

A boca amarga é um sintoma comum para diversos problemas de saúde. Normalmente, indica má higienização da boca, contudo, pode indicar problemas no fígado, por exemplo.

Muitos pacientes buscam consultórios médicos e dentários com a mesma reclamação: sinto gosto amargo na boca. Ter um gosto amargo crônico na boca, não é uma condição normal, a menos que você esteja comendo algo amargo.

A alteração de paladar, também chamada de disgeusia, pode ser específica para um apurado gosto, como o amargo, ou inespecífica, citada pelo paciente como um gosto ruim ou diferente.

De acordo com estudo publicado na Nature [1] existem vários mecanismos de transdução gustativa, envolvendo receptores de membrana e proteínas de ligação que estão envolvidos na sensação amarga na boca.

O QUE PODE SER BOCA AMARGA?

Como já dito, sentir a boca amarga, muitas vezes não é um problema sério, mas pode interferir na sua vida diária e afetar sua dieta.

De acordo com Dr. Maurício Duarte, da Clínica Halitus, especialista em halitose e boca amarga, esse tipo de alteração no paladar pode ser provocado por problemas na cavidade bucal ou por alterações do organismo, mas que repercutem na boca.

Normalmente, essa condição envolve esses problemas:

  • Problemas renais
  • Esofagite
  • Problemas no fígado
  • Infecções respiratórias
  • Má higienização da boca
  • Medicamentos e suplementos
  • Refluxo

1- PROBLEMAS RENAIS

Quando os rins não estão funcionando muito bem, duas substâncias acabam se acumulando no corpo: a ureia e a creatina. Certamente, essas substâncias em excesso no organismo provocam a boca amarga.

Aliás, esse é um sintoma de pessoas que precisam de hemodiálise, exatamente por estarem com a ureia e a creatinina desequilibradas no corpo.

2- ESOFAGITE

A esofagite é a inflamação do esôfago, que liga a boca ao estômago, que pode ser causada pelo refluxo gástrico, que se dá quando o conteúdo ácido do estômago entra em contato com a mucosa do esôfago.

Ela gera sintomas como azia e gosto amargo na boca, mas quando o paciente segue corretamente a dieta para esofagite, pode haver cura.

3- PROBLEMAS NO FÍGADO

Quando o fígado não está funcionando corretamente, o corpo começa a acumular elevadas quantidades de amônia. Decerto, é uma substância tóxica, que é transformada em ureia pelo fígado e eliminada na urina.

Assim, os níveis aumentados de amônia provocam uma alteração do gosto, semelhante a peixe ou cebola. Doenças como hepatite, cirrose e esteatose costumam causar este sintoma.

4- INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS

Sinusite, rinite, resfriado, amigdalite, coceira na garganta e outras infecções respiratórias também costumam provocar gosto amargo na boca.

O sintoma surge por causa das bactérias relacionadas aos problemas respiratórios.

5- BOCA MAL HIGIENIZADA

A causa mais comum de boca amarga está associada à presença de placa bacteriana na língua, a saburra lingual, principal causa do mau hálito, aos cáseos amigdalianos (placa bacteriana que se forma nas amígdalas), a uma baixa produção de saliva.

Tudo isso pode ser evitado se a higiene bucal estiver em dia. Uma dica sensacional é o uso de Bicarbonato de sódio para escovar a língua.

6- MEDICAMENTOS E SUPLEMENTOS

Uma vez que seu corpo tenha absorvido certos tipos de medicação, a saliva pode deter o gosto, geralmente amargo do remédio.

Além disso, se um medicamento ou suplemento tiver elementos amargos ou metálicos, pode deixar um gosto amargo na boca. Normalmente, os culpados são:

  • antibiótico tetraciclina
  • lítio, que é usado para tratar alguns distúrbios psiquiátricos
  • certos medicamentos cardíacos
  • vitaminas e suplementos que contêm zinco, cromo ou cobre
  • tratamento para o câncer, como a quimioterapia

7- REFLUXO GASTROESOFÁGICO

O refluxo ácido ocorre quando o esfíncter esofágico inferior enfraquece e permite que o alimento e o ácido do estômago se movam do estômago para cima, de volta ao esôfago e à boca.

Uma vez que este alimento contém ácido digestivo e enzimas, Volta ao esôfago, provoca um gosto amargo na boca bastante desagradável. Outros sintomas de refluxo incluem, por exemplo:

  • azia depois das refeições
  • problemas para engolir
  • tosse seca constante

BOCA AMARGA E SECA

A sensação de boca seca , também conhecida como xerostomia, pode ser causada por uma diminuição na produção salivar ou mudança na composição da saliva.

Sem a produção adequada de saliva, o sabor pode ser alterado. Além disso, os alimentos parecem tornar-se amargos causando a sensação de boca amarga e seca ao mesmo tempo.

Os problemas que causam esse sintoma são, por exemplo:

  • envelhecimento, pessoas idosas costumam ter esse sintoma
  • certos medicamentos
  • síndrome de Sjögren, que causa secura excessiva na boca e nos olhos
  • tabagismo

BOCA AMARGA NA GRAVIDEZ

 É normal que grávidas sintam a boca amarga. Isso porque, o hormônio feminino estrogênio, que flutua durante a gravidez, também pode alterar as papilas gustativas.

Muitas mulheres relatam um gosto amargo ou metálico na boca quando estão grávidas. Isso geralmente resolve no final da gestação ou logo após o parto.

REMÉDIO CASEIRO PARA GOSTO AMARGO NA BOCA

  • Beba muitos líquidos e mastigue chicletes sem açúcar para ajudar a aumentar a produção de saliva.
  • Pratique uma boa higiene bucal. Não esqueça de usar o fio dental diariamente e escovar a língua, todos os dias.
  • Reduza suas chances de sofrer refluxo ácido. Portanto, se você acha que tem esse problema busque tratamento para refluxo gastroesofágico.
  • Parar de fumar pode ser a solução do seu problema, definitivamente.
  • Evite a todo custo alimentação condimentada demais.
  • Discuta com seu médico, então, a possibilidade de troca seus medicamentos, se você perceber que um está lhe causando boca amarga.

TRATAMENTO PARA BOCA AMARGA

Assim que você buscar ajuda médica, o tratamento será definido de acordo com o problema causador da boca amarga.O tratamento, portanto, dependerá da condição subjacente que esteja causando o gosto amargo. Por exemplo, para o refluxo ácido você terá que tomar antiácidos específicos. No caso dos medicamentos, o próprio médico fará a substituição. Dependendo da situação você poderá ser encaminhado para:

  • um dentista se suspeitar que o gosto amargo está ligado a um problema dentário
  • um endocrinologista se estiver associado a uma doença como diabetes mellitus
  • um reumatologista se pensa que pode ter síndrome de Sjögren

CONCLUSÃO

A boca amarga, geralmente, não indica nada sério. Afinal, muitas vezes é desidratação que causa boca seca ou. simplesmente uma higiene bucal ruim. Mulheres grávidas podem ter gosto amargo na boca no início da gestação, o que é normal, devido às oscilações hormonais.

Mas, boca amarga pode ser problema de saúde, sim. Os problemas mais recorrentes são aqueles envolvendo doenças no fígado e refluxo gastroesofágico.

ARTIGO MÉDICO-CIENTÍFICO: NATURE [1]

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 

Fonte: Diário de Biologia

Categoria: Opinião, Saúde
Comentários (0) e Compartilhar

Como limpar o catarro na garganta (pigarro) em casa sem remédios

Publicado em 07/03/2019 às 08h34

O pigarro na garganta, é um dos sintomas comuns de pessoas que estão com alguma virose nas vias aéreas e pessoas alérgicas. Mas também, é um sintoma que acompanha fumantes por toda a vida, que cultivam uma tosse com catarro constante.

Ter uma garganta encatarrada dificulta a mastigação e a respiração. Assim, é muito importante saber como limpar o catarro preso na garganta e muitas vezes isso pode ser feito em casa, sem remédios.

Segundo o pneumologista, Dr. Alexandre Kawassaki, nosso organismo já tem naturalmente uma forma de aliviar o catarro na garganta. Ele diz que tossir é a melhor forma e a mais eficiente, uma vez que, a tosse tem essa função. Contudo o alerta do médico é a respeito do catarro com sangue. O muco, deve ter um catarro transparente. Se você tem catarro na garganta constantemente, e ele tem saído com sangue, procure um médico para exames. O mesmo conselho serve para quem está expelindo catarro verde, que é um indicativo de infecção bacteriana.

PIGARRO CRÔNICO

Pigarro crônico é quando a pessoa tem catarro constantemente na garganta, o tempo todo. Parece estranho, mas muita gente sofre com esse sintoma e tem o catarro sendo cronicamente produzido na garganta, devido a uma irritação no local.

A rinite alérgica é uma das causas mais comuns de pigarro crônico, pois o gotejamento (catarro escorrendo no fundo da garganta) pós-nasal recorrente causa essa impressão. Ao mesmo tempo, pode acontecer por causa de uma bronquite alérgica, onde a exposição ao tempo frio pode causar tosse e expectoração, levando o catarro para a garganta.

A exposição a fumaça, poeira, etc. juntamente como o fumo também pode causar pigarro crônico. Podemos contudo, citar outras tantas causas para o seu pigarro crônico, como por exemplo:

  • desidratação
  • excesso de álcool ou cafeína
  • ambiente seco devido ao ar condicionado
  • excesso de calor
  • uso de medicamentos contra resfriado e antialérgicos
  • refluxo gastroesofágico

REMÉDIO PARA PIGARRO NA GARGANTA

Conforme relatado no livro Medicina Alternativa [1], especializado em cura natural, o pigarro na garganta é muito comum em pessoas que utilizam a voz profissionalmente como professores e cantores, por exemplo. A garganta apresenta-se dolorida e seca, com abundante produção de pigarro.

O conselho do livro é evitar bebidas e alimentos excessivamente gelados ou quentes, alimentos irritantes (pimentas, mostarda, etc.) e choques térmicos. Ao mesmo tempo, os alimentos naturais e fibrosos podem atuar como auxiliares do tratamento.

1. GARGAREJO COM ÁGUA MORNA E SAL

Por incrível que pareça, uma misturinha de água morna e sal é uma das maneiras mais eficientes de “diluir” o pigarro. O gargarejo terá de objetivo de limpar o muco preso na parte de trás da garganta e o preso nas passagens de ar.

Como fazer? 

Junte uma colher de chá com sal num copo de água morna, faça o gargarejo a solução durante 30 segundos com a cabeça inclinada para trás e cuspa assim que passar o tempo. Repita os gargarejos até que toda a água tenha terminado. Refaça o mesmo procedimento 3 vezes ao dia.

2. GENGIBRE

Tenha sempre gengibre em casa.

Essa raiz contém propriedades antivirais e uma grande capacidade expectorante que permite a limpeza das vias aéreas com muita eficiência. Uma forma de conseguir se livrar do pigarro na garganta é inserir um pouco de gengibre na alimentação. O gengibre em qualquer forma (chá ou suco) é um remédio antigo para combater resfriado e eliminar o muco da garganta.

Como fazer? 

Você pode fazer uma pasta de mel e de pó de gengibre (ou gengibre fresco). O consumo de uma colher desta substância duas vezes por dia reduz o muco da garganta. Além disso, ajuda na cicatrização das células inflamadas. No livro medicina alternativa, recomenda-se que quem sofre com catarro na garganta persistente pode fazer um tratamento contínuo. Você pode fazer um chá das raízes de gengibre (30 g para 1 litro de água) adoçado com mel de abelhas e, tomar, então cerca de 4 xícaras ao dia.

3. FAÇA NEBULIZAÇÃO

A nebulização quente é perfeita para hidratar a mucosa da garganta.

O vapor quente irá liquidificar o pigarro preso na garganta, permitindo que seja eliminado mais facilmente.

Como fazer? 

Você pode colocar 1 a 2 litros de água fervente em uma bacia e usar uma toalha por cima da cabeça, tapando a bacia também. Fique por alguns minutos respirando o vapor que sai da bacia. Se quiser pode até usar uma essência de eucalipto na água, isso ajudará muito. Aliás, uma sauna terá o mesmo efeito e vai derreter o catarro todinho.

Atenção aos profissionais da voz: Se você utiliza a voz como trabalho e precisa cuidar das suas cordas vocais, muito cuidado. Se desenvolver catarro na garganta, nem todos os procedimentos acima são adequados para você.

De acordo com um estudo publicado na Revista CEFAC [2] o uso do gengibre, por exemplo, contém substâncias que modificam a sensibilidade e propriocepção oral e faríngea. Isso causa alteração na voz, e não é recomendado, sobretudo, para cantores de corais.

Esse efeito de modificação da sensibilidade, decerto, também ocorre no uso de própolis, vinagre e canela.

4. MANTENHA-SE HIDRATADO

Beber líquidos é sempre bom quando se está gripado, mas quando se diz respeito ao pigarro na garganta, a hidratação é essencial. Beber líquidos suficientes, especialmente os quentes, pode ajudar o fluxo de muco. Ao mesmo tempo, beber água pode soltar o catarro congestionado, ajudando o muco a se liquefazer e, então soltar da garganta. Além da água, outras boas escolhas podem ser os chás e suco de frutas ou água com limão.

REMÉDIO DE FARMÁCIA PARA PIGARRO NA GARGANTA

Medicamentos expectorantes como a guaifenesina são capazes de “derreter” o catarro. De acordo com a bula disponibilizada pela Anvisa, a guaifenesina é um expectorante que aumenta a eliminação da secreção brônquica pela redução da adesividade e tensão superficial do muco.

Assim, o catarro menos viscoso flui facilmente no trato respiratório e desce para o estômago e intestinos onde é eliminado. Você pode comprar a guaifenesina genérico, ou medicamentos como o Transpulmin® [bula] ou o Glyteol® [bula] que tem o mesmo princípio ativo.

PIGARRO NA GARGANTA PODE SER CÂNCER?

Muitas pessoas têm essa dúvida porque, muita gente tem aquele pigarro crônico na garganta que nunca vai embora.

Mas, a resposta é não. O câncer de garganta não tem como sintoma o muco persistente na região.

Além de rouquidão e tosse persistente, os sintomas de câncer de garganta são:

  • Alterações na sua voz
  • Dificuldade em engolir (disfagia)
  • Dor de ouvido
  • Um caroço ou ferida que não cicatriza
  • Dor de garganta
  • Perda de peso inexplicável
  • E, por fim, sensação de que tem algo preso na garganta

VINAGRE É BOM PARA PIGARRO?

O vinagre de maçã é um dos ingredientes caseiros mais poderosos e serve para uma grande variedade de soluções caseiras. Contudo, para o pigarro não é recomendado, pois pode agravar mais o quadro.

Apesar de ser um antisséptico poderoso, o gargarejo com vinagre pode irritar ainda mais a garganta estimulando a produção de muco e, consequentemente, piorando o pigarro. O melhor mesmo é hidratar a garganta e usar a solução de sal morna que tem um pH parecido com a mucosa da garganta.

PIGARRO CONSTANTE NA GARGANTA E FALTA DE AR

Quando temos uma infecção nas vias aéreas, seja uma bronquite ou uma pneumonia por exemplo, os pulmões ficam carregados de muco. Esse muco, constantemente se desprende e sobe pela garganta, principalmente quando tossimos. Então, quando temos pigarro com falta de ar, é bem clássico de infecções das vias aéreas com produção de catarro.

Afinal, a falta de ar é um sintoma  comum deste tipo de infecção, uma vez que, prejudica a respiração.

CONCLUSÃO

O pigarro na garganta crônico é, geralmente causado por episódios de rinite alérgica, bem como fumo e infecções das vias aéreas. A melhor forma de se livrar do pigarro constante é fazendo a hidratação da mucosa da garganta ou gargarejos com água morna e sal. Na maioria das vezes, não é necessário fazer uso de remédio de farmácia para pigarro na garganta, como a guaifenesina.

ARTIGO CIENTÍFICO: REVISTA CEFAC [2]  LIVRO: SPETHMANN CN – MEDICINA ALTERNATIVA 6A EDIÇÃO [1] MEDICAMENTOS: TRANSPULMIN® [BULA] OU O GLYTEOL® [BULA]

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 

Fonte: Diário de Biologia

 

 

Categoria: Opinião, Saúde
Comentários (0) e Compartilhar

Anvisa reavalia glifosato e descarta risco de câncer pelo consumo de alimentos

Publicado em 01/03/2019 às 09h25

Mas admite possibilidade de problemas a produtores e ao meio rural em casos de aplicação indevida e vai abrir consulta pública para refazer regulamentação


Brasília (28/02/2019) - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reavaliou o risco do glifosato e concluiu que não causa mutações no DNA, o código genético humano (não mutagênico), nem nos embriões ou fetos (teratogênico), não é cancerígeno (carcinogênico) e não é desregulador endócrino (não afeta o sistema hormonal), não afetando a reprodução.

A Anvisa alertou, entretanto, que os trabalhadores que atuam em lavouras precisam ter cuidados especiais. Para isso, são importantes o uso de Equipamentos de Proteção Individual (traje/equipamentos especiais para a aplicação do produto nas lavouras), além do controle para evitar dispersão (deriva) do produto quer seja aérea, terrestre ou na água.

A Anvisa utilizou estudos sobre os efeitos do glifosato realizados no Canadá, Estados Unidos e Europa. Também foram analisados dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), que mostraram o perfil de intoxicações por glifosato no Brasil. Os dados do monitoramento de água para consumo humano no Brasil produzidos entre 2014 e 2016 também foram incluídos para ser conhecido o risco do glifosato aos seres humanos. Foram analisadas 22.704 amostras de água e em apenas 0,03% dos casos havia presença de glifosato em nível acima do limite permitido.

A Reavaliação foi iniciada em 2008, tem cerca de 400 páginas e utilizou dados nacionais sobre agrotóxicos. Entre as informações analisadas estão os números sobre a existência de resíduos destes produtos, feitos em 906 amostras de arroz, manga e uva.

A Anvisa decidiu abrir consulta pública, com prazo de 90 dias, para recebimento de sugestões à nova regulamentação de uso do glifosato no país. E já inicia com propostas de proibição de formulações do tipo EW (emulsão óleo em água) para reduzir possibilidade de inalação e absorção pela pele; rodízio de trabalhadores nas atividades de aplicação com trator (mistura, abastecimento e aplicação); equipamento de proteção individual (EPI) e carência para reentrada do trabalhador em áreas tratadas; adoção de tecnologia para redução da dispersão; faixa de segurança de 10 metros na lavoura quando houver povoações a 500 metros de distância; definição do limite de exposição e tolerância para o trabalhador rural.

O glifosato é o produto (ingrediente ativo) mais utilizado no Brasil para a eliminação de ervas daninhas, sendo usado nas lavouras de soja, milho, algodão, arroz, feijão, café, banana, cacau, cana-de-açúcar, citros, coco, fumo, maçã, mamão, nectarina, pastagem, pêra, pêssego, ameixa, seringueira, trigo, uva e nas florestas de eucalipto e pinus.

Rússia

Segundo a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, a presença alegada de glifosato em carga de soja exportada à Rússia se deveu ao fato dos russos exigirem uma dosagem muito menor na soja – 0,15 parte por milhão (PPM) - do que a determinada pelo Codex Alimentarius (código alimentar internacional) que é de 20 PPM. “O Brasil usa 10 PPM, portanto está absolutamente dentro do que o Codex prevê".

Todas as amostras de soja que foram retiradas e que o Ministério mandou à Rússia provaram que havia muito menor quantidade de glifosato do que as fixadas pelas normas internacionais. Enfim, esse assunto está resolvido”, garante a ministra. Tereza Cristina afirmou ainda que “o produto cultivado pelo agricultor brasileiro, atestado pelos Ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente e Anvisa e colocado à mesa dos consumidores é absolutamente seguro”.

O coordenador geral de Agrotóxicos e Afins do Ministério, Carlos Ramos Venancio, informa que nenhum país do mundo proíbe o uso do glifosato. Além disso, não existe substituto para ele e os demais produtos usados para combater as pragas são mais tóxicos e o preço do glifosato é mais acessível com a oferta de genéricos .

Com informações da Anvisa

Categoria: Meio Ambiente, Saúde
Comentários (0) e Compartilhar

TSH Ultra Sensível: O que é? Por que o médico pede? Veja a importância deste exame na sua vida

Publicado em 25/02/2019 às 09h17

O TSH ultra sensível é um tipo de exame de sangue capaz de detectar o mínimo possível do do hormônio TSH no sangue. Assim, esse exame de sangue para dosagem do TSH, não é tão comum quanto exame de sangue de hemograma. Mas, deveria ser.

Este exame é indispensável, principalmente para pessoas com 40 anos ou mais. Sua função é avaliar a saúde da tireoide, uma glândula que fica no meio do cérebro. Ela controla o funcionamento de várias funções do organismo.

Mas quando o médico pede o exame de TSH, fica a dúvida: o que é? O que significa TSH alto e TSH baixo? Qual a importância deste exame?

Se o médico passou este exame para você, ele desconfia de que sua tireoide não anda trabalhando bem. Mas, se você já tem 38 anos ou mais, é comum que os médicos já iniciem um monitoramento da sua tireoide. A princípio não há motivos para preocupação.

O fato é que ultimamente, uma grande quantidade de pessoas sem qualquer sintoma de alterações na tireoide, tem descoberto terem hipotireoidismo ou hipertireoidismo.

Assim, tem se tornado rotina, que os médicos peçam o exame de TSH ultra sensível em pacientes com mais de 40 anos.

O QUE É TSH?

De acordo com o endocrinologista Dr. Marcello Bronstein [2], o TSH, sigla para Hormônio Estimulador da Tireoide, é um hormônio fabricado pela hipófise. Este hormônio tem um poder importante no organismo.

É ele que controla o funcionamento de várias glândulas, entre elas os testículos, os ovários, as adrenais e a tireoide. “Existe um sincronismo entre a produção de TSH e a tireoide semelhante ao funcionamento do termostato da geladeira, que liga e desliga automaticamente de acordo com a flutuação da temperatura interna do aparelho”, disse o médico.

Certamente, as doenças de tireoide ocorrem, principalmente, nas mulheres. Há uma proporção de cinco, seis ou sete mulheres para cada homem. De acordo com Dr. Bronstein, o TSH ultra sensível deve ser feito rotineiramente após os 40 anos.

Isso porque, em casos de hipotireiodismo, a pessoa pode apresentar sintomas como: cansaço e adinamia (falta de iniciativa). Por isso, normalmente, são diagnosticadas com depressão.

TSH ULTRA SENSÍVEL, O QUE É?

De acordo com a endocrinologista  Dra. Natália Lobo [1], as disfunções da glândula tireoide são comuns. Muitas vezes essas alterações na função tireoidiana podem ser transitórias, subclínicas ou associadas ao uso de alguma outra medicação.

Uma avaliação cuidadosa deve ser feita na procura da causa dessa alteração e avaliada a necessidade de tratamento direcionado a doença tireoidiana.

Assim, o exame de TSH ultra sensível é o método de diagnóstico mais avançado que consegue detectar quantidades mínimas de TSH no sangue. Esse, ao contrário do exame comum, pode “enxergar” taxas imperceptíveis do hormônio.

O método de diagnostico utilizado nos laboratórios é bastante sensível e específico. Dessa forma, a maioria dos médicos já sugerem esse tipo de exame de TSH ultra sensível como rotina.

O TSH ultra sensível é feito a partir de uma pequena amostra de sangue, que deve ser coletada em jejum de pelo menos 4 horas. Contudo, alguns laboratórios não exigem o jejum para este exame.

Ao mesmo tempo, o  melhor horário para fazer esse exame é pela manhã, já que a concentração de TSH no sangue varia ao longo do dia. É indispensável relatar ao laboratorista o uso de medicamentos, especialmente aqueles para tireoide, como a Levotiroxina, já que pode interferir no resultado do exame.

QUANDO O TSH ESTÁ ALTERADO?

Qualquer resultado na qual o exame sai dos parâmetros normais de acordo com a idade, sexo, peso é considerado alterado. Assim o TSH pode vir elevado, o que indicaria uma baixa produção de T3 e T4 pela tireoide.

Da mesma forma, quando o TSH no sangue é baixo, pode significar uma alta produção de T3 e T4 pela tireoide.

O QUE PODE SIGNIFICAR OS RESULTADOS

TSH ALTO

Indica que a tireoide não está produzindo hormônio suficiente, e por isso a hipófise, tenta compensar isso aumentando os níveis de TSH no sangue para que a tireoide exerça sua função de forma adequada.

Alguns medicamentos como propranolol e furosemida, podem também aumentar a concentração de TSH no sangue. Além disso, um tumor hipofisário pode levar a produção excessiva de TSH.

Dessa forma, um TSH alto, indicaria um hipotireoidismo primário. Mas também podem ser casos de tiroidite de Hashimoto (tireoidite autoimune), tireoidite sub-aguda e, muito raramente, secreção inapropriada de TSH (tumores hipofisários produtores de TSH).

Se o seu TSH está alto, é possível que você esteja sentindo os seguintes sintomas de hipotireodismo:

  • cansaço
  • aumento de peso
  • prisão de ventre,
  • sensação de frio
  • aumento de pelos na face
  • dificuldade de concentração
  • pele seca
  • cabelos e unhas frágeis e quebradiças

TSH BAIXO

Indica que a tireoide está produzindo hormônios de forma excessiva, aumentado estes valores, e por isso a hipófise diminui a liberação do TSH para tentar regular a função da tireoide. Indica hipertireoidismo.

Assim, medicamentos como aspirina, corticoides, heparina, fenclofenaco, e outros podem deixar o TSH baixo. Da mesma forma, o tumor da hipófise pode reduzir o TSH no sangue.

Essa alteração pode ocorrer pela utilização de doses excessivas de hormônio tireoidiano (em pacientes em tratamento do hipotiroidismo), alguma fase transitória da tireoidite e, muito menos frequente, lesões na hipófise que levem a uma queda na síntese do hormônio TSH.  Os sintomas de quando o TSH está baixo são:

  • agitação
  • palpitação cardíaca e taquicardia
  • insônia
  • perda de peso
  • nervosismo e irritação
  • intolerância ao calor
  • tremores
  • e, por fim, diminuição da massa muscular

QUAL O RESULTADO NORMAL DO TSH ULTRA SENSÍVEL?

Os valores de referência de TSH normal, frequentemente aceitos estão entre 0,5 e 5,0 µUI/mL. Contudo, tais valores podem variar em função do método utilizado pelo laboratório. Por isso, somente o médico que solicitou a coleta do exame pode interpretar corretamente os resultados obtidos.

Ao mesmo tempo, normalmente, o próprio laboratório disponibiliza junto ao resultado do exame de TSH ultra sensível os valores normais de acordo com o método utilizado. Assim, você poderá saber se está alterado ou não, através dessa referência.

O QUE É  TSH SUPRIMIDO?

Nos casos de hipertireoidismo, o TSH considerado suprimido porque o excesso de hormônios de tireoide inibe o funcionamento da hipófise. Os sintomas são opostos aos do hipotireodismo.

A pessoa fica nervosa e irritadiça, dorme pouco, tem taquicardia, seu coração bate rápido. Como apresenta intolerância ao calor, numa sala em que todos estão com frio, ela transpira muito.

CONCLUSÃO

O exame de TSH ultra sensível serve para medir a quantidade desse hormônio no sangue. Quando o valor está baixo demais, indica que a pessoa pode ter Hipertireoidismo. Ao mesmo tempo, quando os valores ultrapassam a normalidade, indica hipotireoidismo.

Os sintomas das duas doenças são opostos: enquanto o hipotireoidismo (TSH alto) deixa a pessoa cansada e com ganho de peso, o hipertireoidismo (TSH baixo) causa agitação, irritação e perda de peso.

OPINIÃO MÉDICA: DRA. NATÁLIA LOBO [1]   DR. MARCELLO BRONSTEIN [2]

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 

Fonte: Diário de Biologia

Categoria: Ciência, Saúde
Comentários (0) e Compartilhar

Como acabar com chulé: 3 formas incrivelmente simples de resolver o problema

Publicado em 20/02/2019 às 15h59

Se você quer saber como acabar com chulé, seguindo indicações científicas comprovadas, está no lugar certo. O Chulé é a combinação de suor nos pés e proliferação bacteriana. Na verdade, o nosso suor natural é praticamente sem cheiro, sendo composto de 99% de água.

No entanto, nossa pele, especialmente nos nossos pés, existe milhares de bactérias. Assim, o metabolismo bacteriano resulta na eliminação dos ácidos carboxílicos, os verdadeiros responsáveis pelo “cheiro de chulé”. Além disso, há uma ação de fungos que piora mais ainda a situação.

De fato, a indústria farmacêutica já está bastante evoluída em relação ao tratamento da Bromidrose axilar e plantar (cecê e chulé). No entanto, a cada dia, as pessoas têm buscado mais alternativas naturais para problemas do cotidiano. Dessa forma, há opções naturais na forma de remédios caseiros que são tão eficazes quanto as alternativas industrializadas.

HÁBITOS PARA ACABAR COM CHULÉ

Antes mesmo de saber as receitas caseiras para acabar com o chulé, é importante, saber como cuidar dos pés corretamente. Assim, você nunca mais terá problemas com as bactérias causadoras do chulé.

Manter uma rotina correta com seus pés, livrará você de qualquer mau cheiro. Para isso, você só terá que manter os pés limpos e bem cuidados. O segredo, é seguir o check-list abaixo.

CUIDADOS COM OS PÉS

  • É importante secar completamente os pés após a lavagem. Preste atenção, sobretudo, entre os dedos dos pés. Este, decerto, é o local preferido das bactérias e qualquer umidade permite seu crescimento.
  • Corte as unhas dos pés, mantendo-as sempre curtas. Se caminhar em locais com sujeira, cuide para dar atenção especial a suas unhas durante o banho.
  • Remova a pele dura e morta dos seus pés com uma lixa. A calosidade na sola do pé fica macia e encharcada quando molhada. Isso, decerto, cria um ambiente que as bactérias adoram.
  • Troque as meias todos os dias. Se você for a academia ou fizer qualquer atividade que faça os pés suarem, troque a meia no meio do dia. Não deixe o suor secar na meia. Isso afeta a higiene dos seus pés.
  • Tenha pelo menos dois pares de sapatos de uso diário para alternar o uso a cada dois dias. Isso, decerto, permite que cada par seque completamente do suor ou da umidade por um dia inteiro antes de ser usado novamente.
  • Ainda sobre sapatos. Você pode, ao mesmo tempo, remover as palmilhas para facilitar a secagem de um dia para o outro. Sapatos molhados permitem que as bactérias cresçam rapidamente.
  • Escolha meias que absorvam a umidade em vez de mantê-la em pé. Estes incluem meias grossas e macias feitas de fibras naturais ou meias esportivas.
  • Dentro de casa, evite sapatos fechados e meias. Use sandálias, chinelos ou fique descalço, isso é até bom para melhorar o sistema imunológico.
  • Sapatos apertados ou que possam reter a umidade, podem te causar problemas com as bactérias. Evite sempre que puder.

PRODUTOS QUE AJUDAM A ACABAR COM CHULÉ

  • Use sabonetes antifúngicos ou antibacterianos e bucha ou escova para lavar os pés, com capricho, pelo menos uma vez por dia.
  • Use chumaço de algodão para aplicar uma pequena quantidade de álcool entre seus dedos antes de dormir. Isso ajudará a secar a umidade dos seus pés. Contudo, evite aplicá-lo sobre qualquer lesão. Se estiver com frieira ou machucados, não aplique o álcool.
  • Você pode optar por spray antifúngico para os pés ou um pó medicinal comprado em farmácia para usar pelo menos uma vez ao dia. Isso irá acelerar muito o processo.
  • Considere, ao mesmo tempo, o uso de palmilhas desodorantes com propriedades antifúngicas em seus sapatos.
  • Até que o problema se resolva faça o banho com listerine ou vinagre de maçã, como ensinamos abaixo. Considere também o uso do óleo de tomilho, ótima maneira de como acabar com chulé.

RECEITAS PARA ACABAR COM CHULÉ

ESCALDA PÉS DE VINAGRE

O vinagre também pode desinfetar os pés. Isso ajuda a eliminar ou reduzir o odor do pé, eliminando as bactérias causadoras do chulé. Como sabemos, o vinagre tem potente poder antifúngico e antisséptico.

Um tratamento com vinagre poderá acabar com chulé em menos de uma semana, se seguir todas as dicas diariamente.

  1. Lave os pés com água e sabão
  2. Misture uma xícara de vinagre de maçã a 8 xícaras de água morna
  3. Coloque os pés de molho nessa mistura por 10-15 minutos
  4. Em seguida, lave com água corrente e sabão antifúngico
  5. Seque bem com toalha limpa

ESCALDA PÉS COM LISTERINE®

O Listerine, é normalmente usado para ajudar a prevenir cáries e gengivite. Contudo, sua fórmula tem mentol e timol, dois antisséptico e antimicóticos.

Mas, para cuidar dos pés, tem-se recomendado seu uso como escalda pés. De fato, o resultado é impressionante. Este tipo de terapia caseira não é usado para combater o mau cheiro do chulé, mas sim pelas propriedades antifúngicas encontradas no mentol e no timol.

  1. Misture 1 copo de Listerine e 6 copos de água. Você precisará de bastante para cobrir seus pés. Caso necessite, dobre a receita.
  2. Algumas pessoas recomendam adicionar um copo de vinagre a essa solução. Contudo, não é absolutamente necessário, pois as propriedades do Listerine podem acabar com o chulé.
  3. Coloque os pés na solução por pelo menos 40 minutos todos os dias. Normalmente o problema se resolve em menos de 10 dias
  4. No entanto, mesmo com a cura, ocasionalmente, pode considerar usar o molho com listerine como prevenção.

TOMILHO CONTRA CHULÉ

Para que tudo dê certo, é importante seguir o “ritual antichulé”: Lavar bem os pés com sabonete antibacteriano e enxugar muito bem, principalmente entre os dedos. Em seguida, seguir os seguintes passos:

  • Preparar uma mistura de 1/4 de xícara de bicarbonato de sódio, 8 copos de água quente, 1 suco de limão e coloque tudo numa bacia. Em seguida, mergulhe os pés por 20 minutos. Lave os pés com água fria e seque bem. O bicarbonato e o limão, a saber, são antifúngicos e antibacterianos potentes.
  • Óleo de tomilho: Pingue algumas gotas de óleo de tomilho – comprado em lojas de produtos naturais – na mão e espalhe bem nos pés, não esquecendo de passar bem entre os dedos.
  • Ramo de tomilho: Adicione ramos de tomilho fresco ou seco dentro de seus sapatos fechados. Quando for usar tire, quando não estiver usando volte os ramos para dentro dos sapatos. Contudo, antes de fazer isso, lave ou limpe os sapatos.

Se este procedimento for feito todos os dias, em pouco tempo seu chulé terá acabado. Assim, você só terá que fazer este processo uma vez por semana ou a cada 15 dias como prevenção.

ESTUDOS SOBRE O TOMILHO CONTRA CHULÉ

Terminamos as dicas de como acabar com chulé, mostrando os estudos que comprovam a eficácia do tomilho. Diversos cientistas têm buscado estudar recursos naturais no combate da bromidrose plantar – chulé. Dois artigos científicos desenvolvidos pela Division Leather and Footwear Research Institute [1] [2] estudaram a ação do óleo essencial de tomilho contra bactérias e fungos comuns nos calçados e pés de pessoas com chulé.

Dessa forma, até os pesquisadores se mostraram surpresos com o poder antifúngico e antibactericida do tomilho diante das bactérias dos pés. Um dos estudos [1] diz que, decerto, as substâncias timol e carvacrol presentes no tomilho são os conteúdos responsáveis por acabar com a atividade microbiana nos pés.

Da mesma forma, outro estudo publicado na revista International Journal of Cosmetic Science [3], procurou estudar todos os tipos de tratamentos para bromidrose. Vários óleos essenciais forma testados e mais uma vez, o tomilho de mostrou muito mais eficiente que os demais. Segundo o estudo, o carvacrol presente no óleo da flor do tomilho, inibiu a ação microbiana em 68,9% .

ARTIGOS: PELA DIVISION LEATHER AND FOOTWEAR RESEARCH INSTITUTE [1] [2] INTERNATIONAL JOURNAL OF COSMETIC SCIENCE [3]

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 

Fonte: Diário de Biologia

OMILHO CONTRA CHULÉ

Para que tudo dê certo, é importante seguir o “ritual antichulé”: Lavar bem os pés com sabonete antibacteriano e enxugar muito bem, principalmente entre os dedos. Em seguida, seguir os seguintes passos:

  • Preparar uma mistura de 1/4 de xícara de bicarbonato de sódio, 8 copos de água quente, 1 suco de limão e coloque tudo numa bacia. Em seguida, mergulhe os pés por 20 minutos. Lave os pés com água fria e seque bem. O bicarbonato e o limão, a saber, são antifúngicos e antibacterianos potentes.
  • Óleo de tomilho: Pingue algumas gotas de óleo de tomilho – comprado em lojas de produtos naturais – na mão e espalhe bem nos pés, não esquecendo de passar bem entre os dedos.
  • Ramo de tomilho: Adicione ramos de tomilho fresco ou seco dentro de seus sapatos fechados. Quando for usar tire, quando não estiver usando volte os ramos para dentro dos sapatos. Contudo, antes de fazer isso, lave ou limpe os sapatos.

Se este procedimento for feito todos os dias, em pouco tempo seu chulé terá acabado. Assim, você só terá que fazer este processo uma vez por semana ou a cada 15 dias como prevenção.

ESTUDOS SOBRE O TOMILHO CONTRA CHULÉ

Terminamos as dicas de como acabar com chulé, mostrando os estudos que comprovam a eficácia do tomilho. Diversos cientistas têm buscado estudar recursos naturais no combate da bromidrose plantar – chulé. Dois artigos científicos desenvolvidos pela Division Leather and Footwear Research Institute [1] [2] estudaram a ação do óleo essencial de tomilho contra bactérias e fungos comuns nos calçados e pés de pessoas com chulé.

Dessa forma, até os pesquisadores se mostraram surpresos com o poder antifúngico e antibactericida do tomilho diante das bactérias dos pés. Um dos estudos [1] diz que, decerto, as substâncias timol e carvacrol presentes no tomilho são os conteúdos responsáveis por acabar com a atividade microbiana nos pés.

Da mesma forma, outro estudo publicado na revista International Journal of Cosmetic Science [3], procurou estudar todos os tipos de tratamentos para bromidrose. Vários óleos essenciais forma testados e mais uma vez, o tomilho de mostrou muito mais eficiente que os demais. Segundo o estudo, o carvacrol presente no óleo da flor do tomilho, inibiu a ação microbiana em 68,9% .

ARTIGOS: PELA DIVISION LEATHER AND FOOTWEAR RESEARCH INSTITUTE [1] [2] INTERNATIONAL JOURNAL OF COSMETIC SCIENCE [3]

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 

Categoria: Opinião, Saúde
Comentários (0) e Compartilhar

left show tsN fwR fsN|left fwR tsN|left show fwR tsN|bnull|||login news c05|fsN fwR normalcase c05 tsN|c05|login news fwR normalcase c05|tsN fwR c05 normalcase|normalcase fwR c05|content-inner||