Meio Ambiente

Relatório revela que a Natureza está no limite

Publicado em 31/10/2018 às 16h22

Relatório Planeta Vivo 2018, do WWF, revela um grau impressionante de impacto humano no planeta

A forma como alimentamos, abastecemos e financiamos nossa sociedade e economia está levando a natureza e os benefícios que ela nos fornece ao limite. É o que diz o Relatório Planeta Vivo 2018 divulgado hoje pelo WWF. O documento apresenta uma imagem preocupante do impacto da atividade humana sobre a vida selvagem, florestas, oceanos, rios e clima do mundo, destacando que a janela de tempo para tomar uma atitude está se fechando rapidamente.

Um dos indicadores usados no relatório, o Índice Planeta Vivo (LPI), fornecido pela Zoological Society of London (ZSL), que acompanha as tendências na abundância global de vida selvagem, indica que as populações de peixes, aves, mamíferos, anfíbios e répteis diminuíram em média 60% entre 1970 e 2014. As principais ameaças às espécies identificadas no relatório estão diretamente ligadas às atividades humanas, incluindo perda e degradação de habitats e exploração excessiva da vida selvagem.

"A ciência está mostrando a dura realidade que nossas florestas, oceanos e rios estão sofrendo em nossas mãos. Centímetro por centímetro, espécie por espécie, a redução do número de animais e locais selvagens é um indicador do tremendo impacto e pressão que estamos exercendo sobre o planeta, esgarçando o tecido vivo que nos sustenta: natureza e biodiversidade ", disseMarco Lambertini, diretor-geral do WWF Internacional. O Brasil no cenário global de degradação Neste cenário, o Brasil merece atenção especial. Além da comprovada importância da Amazônia para a regulação do clima da Terra, nosso país concentra a maior biodiversidade do planeta e uma enorme disponibilidade de recursos hídricos.

Ao mesmo tempo, estamos na região que mais sofre com a perda de biodiversidade. A estimativa é que desde a década de 1970 o tamanho das populações das espécies que habitam as Américas do Sul e Central tenha sido reduzido em 89%. A maior causa desta perda de espécies é o desmatamento e, no nosso caso, ainda somos a maior fronteira de desmatamento do mundo – mais de 1,4 milhões de hectares de vegetação natural são perdidos por ano. Nos últimos 50 anos, 20% da Amazônia já desapareceu. Especialistas indicam que se o desmatamento total alcançar 25%, esse bioma chegará ao "ponto de não retorno", podendo entrar em colapso. 

O relatório aponta também a região do Cerrado como uma das maiores frentes de desmatamento no mundo. Além de um golpe em nossa biodiversidade, o desmatamento no Cerrado atinge diretamente nossa capacidade hídrica, uma vez que as águas que nascem neste bioma alimentam alguns dos maiores reservatórios de água subterrânea do mundo, além de seis das oito grandes bacias hidrográficas brasileiras. A mudança de uso do solo, principalmente o desmatamento, também é o maior fator de emissão de gases de efeito estufa do Brasil. Entre 1990 e 2013, a mudança de uso do solo foi responsável por 62.1% do total de emissões do país, segundo o Sistema de Estimativa de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG).

As ameaças às espécies estão presentes em vários biomas brasileiros. A Jandaia-amarela (Aratinga solstitialis), o Tatu-bola (Tolipeutes tricinctus), o Muriqui-do-sul (Brachyteles aracnoides) e o Uacari (Cacajao hosomi) são exemplos de espécies em perigo de extinção em função da perda de seu ambiente natural. O Boto (Inia geoffrensis) é uma espécie em perigo de extinção devido à tendência de redução populacional no futuro, em função da degradação de seu ambiente.

O Relatório Planeta Vivo 2018 também aborda a importância e o valor da natureza para o bem-estar social e econômico global. Além de ajudar a garantir o fornecimento de ar fresco, água potável, alimentos, energia, medicamentos e outros recursos,estima-se que a natureza forneça ao mundo serviços da ordem de 125 trilhões de dólares a cada ano. 

"Tudo está diretamente conectado. Dos insetos e pássaros que polinizam as lavouras que nos alimentam, passando pelo suprimento de água limpa da qual dependem todas as nossas atividades até o ar que respiramos a cada segundo. A proteção das florestas, dos recursos hídricos, da biodiversidade é também a proteção das pessoas e da nossa sociedade. Comprometer o meio ambiente é comprometer o nosso futuro", afirma Mauricio Voivodic, diretor-executivo do WWF-Brasil. Isso pode mudar Embora o cenário apresentado no relatório mostre uma realidade aterradora, existe esperança. A natureza possui capacidade de regeneração, mas para reverter a situação atual será preciso muito trabalho e mudanças significativas na forma como nos relacionamos com o meio ambiente.

Em agosto deste ano, por exemplo, após mais de dez anos de ações de preservação e conscientização, pesquisadores do Parque Nacional do Iguaçu comemoraram o aumento de 30% na quantidade de Onças Pintadas (Panthera onca) na região do Parque Nacional do Iguaçu. Caso parecido é o das Baleias Jubarte (Megaptera novaeangliae) que já chegaram à beira da extinção por conta da pesca e hoje voltaram às dezenas de milhares.

O Brasil tem um papel decisivo na redução da degradação ambiental, com mais de 60% de seu território coberto por vegetação natural e com uma posição extremamente importante na produção de alimentos para o mundo, precisamos conciliar estas duas realidades. Estudos mostram que podemos atender as expectativas futuras de produção de alimentos sem derrubar mais nenhuma árvore. Temos 50 milhões de hectares de pastagens degradadas, áreas subutilizadas, perdendo solo, contaminando rios e emitindo mais gases do efeito estufa, que podem ser reabilitadas para a produção, evitando-se mais desmatamento e a consequente perda de biodiversidade e emissões de gases do efeito estufa.

O Relatório Planeta Vivo 2018 destaca a oportunidade que a comunidade global tem de proteger e restaurar a natureza até 2020, um ano crítico em que os líderes devem medir o progresso alcançado na Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e no Acordo de Paris..

O Capítulo 4 do relatório é inspirado em um artigo científico intitulado "Mirando mais alto para dobrar a curva da perda de biodiversidade", que sugere um roteiro para as metas, indicadores e métricas que os 196 Estados membros da CDB poderiam considerar para entregar um acordo global urgente, ambicioso e eficaz para a natureza (como o mundo fez pelo clima em Paris), quando se reunir na 14ª Conferência das Partes da CDB no Egito, em novembro deste ano.

"As estatísticas são assustadoras, mas nem tudo está perdido. Temos a oportunidade de projetar um novo caminho que nos permita coexistir de forma sustentável com a natureza da qual dependemos. Nosso relatório estabelece uma agenda ambiciosa para a mudança. Vamos precisar da sua ajuda para alcançá-lo", disse o Prof. Ken Norris, Diretor de Ciências da ZSL.

Sobre o WWF

O WWF-Brasil é uma organização não governamental brasileira dedicada à conservação da natureza, com os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. Criado em 1996, o WWF-Brasil desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, a maior rede mundial independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.

 

Categoria: Geral, Mundo
Comentários (0) e Compartilhar

João XXIII: Demsur conclui reforma de reservatório e duplica armazenamento de água na parte alta

Publicado em 30/10/2018 às 16h24

O Demsur concluiu a reforma de mais um reservatório e em breve será mais um importante ponto de armazenamento de água para os moradores da parte alta do bairro João XXIII. O tanque de 100 mil litros, que fica na rua Astrogildo Figueiredo, foi reformado e reinstalado nesta segunda-feira (29).

Recentemente a autarquia instalou um novo reservatório, também de 100 mil litros naquela localidade, logo em seguida o tanque mais antigo foi retirado e passou por uma reforma. Após o término da restauração foi realizada nesta segunda uma operação para colocá-lo novamente no local.

Nos próximos dias serão feitas as instalações hidráulicas e interligação entre os dois reservatórios e, na sequência, ambos entrarão em funcionamento. A duplicação dos tanques em pontos estratégicos faz parte do "Programa Mais Água" e visa acabar com a falta de água no município e diminui o risco de desabastecimento em casos de manutenção ou imprevistos.

Urbanização

O Demsur iniciou também o trabalho de urbanização no entorno dos reservatórios. A autarquia está fazendo o cercamento destes locais com colunas e alambrados, além de pintura, iluminação e calçamento. O objetivo é evitar o acesso de pessoas aos tanques diminuindo, assim, o risco de acidentes, principalmente com crianças e também de uma possível contaminação da água.

 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Demsur fará obra para melhorar escoamento de água da chuva na região da Santa Rita

Publicado em 29/10/2018 às 16h53

Profissionais do Demsur realizaram na manhã desta segunda-feira (29) uma inspeção na rede de drenagem pluvial da rua Santa Rita. A partir dessa avaliação a autarquia irá realizar um trabalho para melhorar o escoamento de águas das chuvas naquela região.

Após a inspeção, o Diretor do Departamento de Água e Esgoto, Gustavo Goretti, explicou que apesar da galeria, construída recentemente, ser ampla, as redes que chegam até ela são antigas e uma delas tem 60 centímetros de diâmetro e é reduzida pela metade antes de chegar na galeria. Por este motivo muita sujeira e outros objetos ficam agarradas e entopem a tubulação.

Para solucionar o problema o Demsur irá realizar, nos próximos dias, uma obra para aumentar o diâmetro dessa rede que chega até a galeria. Essa intervenção irá evitar o entupimento constante, melhorando o escoamento da água da chuva e evitando alagamentos que causam transtornos para moradores e comerciantes daquela região.

A perspectiva é que a obra tenha duração de, aproximadamente, três dias e será realizada em breve. O Demsur age preventivamente em busca de soluções que possam evitar transtornos e melhorar a qualidade de vida dos muriaeenses. 

 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Conselho de Defesa do Meio Ambiente gerencia cortes de árvores na cidade

Publicado em 29/10/2018 às 09h44

Objetivo: analisar retirada de árvores e determinar replantio de novas mudas, protegendo meio ambiente

Na reunião do Conselho Municipal de Conservação e Defesa do Meio Ambiente (Codema), na manhã desta quinta-feira (25), os membros efetivos do órgão votaram em solicitações de corte de árvores pela cidade. Foram autorizadas podas em diversas partes da área urbana. O objetivo do Conselho é analisar a necessidade de retirada da árvore e cobrar do solicitante o replantio de novas mudas, protegendo assim o meio ambiente.

Os membros do Codema se reúnem em todas as últimas quintas-feiras de cada mês para decidirem sobre podas e cortes de árvores em ruas e quintais. Nos encontros são lidas as solicitações, feitas as análises, realizada a votação e dadas às devidas autorizações para os cortes, assim como as compensações que precisam ser realizadas em prol do meio ambiente. O Conselho também define conflitos entre vizinhos, quando existe uma árvore entre duas propriedades, prejudicando a uma delas.

"Todo morador de Muriaé que quiser fazer o corte de árvore inicialmente abre o processo na Prefeitura e faz a justificativa técnica, dizendo o porquê da necessidade do corte. Algumas vezes, para construir uma casa é preciso cortar uma árvore na rua. Tal análise é registrada e verificada pelos técnicos das Secretarias de Meio Ambiente e Obras e, então encaminhada para o Codema para análise do caso entre os membros do Conselho, que votarão na decisão final para que seja dada a autorização positiva ou negativa para o corte," disse o engenheiro florestal da Prefeitura de Muriaé, Sérgio Vilhena.

Uma série de casos foi apresentada pelos técnicos que avaliaram caso a caso e definiram se era viável ou não realizar a poda ou corte em cada ocorrência. Estão autorizados os cortes de árvores no Posto Radar (antigo Posto Presidente), margens da BR-116 (dois cortes) – as árvores estão doentes; na 76ª Companhia de Polícia Militar (dezesseis cortes) – solicitação para construção de um muro para ampliar segurança da instituição; uma unidade na antiga empresa Líder, Avenida Monteira de Castro, na Barra (um corte) - solicitação do supermercado que vira a se instalar ali. As árvores que se encontram em áreas públicas, nos trevos e praças da cidade, são constantemente avaliadas pela Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente.

Serviço:

Solicitação de poda ou corte: Centro Administrativo, 2º andar – Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente.

Informações: (32) 3696 - 3368

 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Índice de infestação do Aedes aegypti em Muriaé é de 1,8

Publicado em 26/10/2018 às 16h11

Resultado é considerado como “médio risco”; Prefeitura realiza ações de combate ao mosquito durante ano todo

O resultado do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), realizado entre os dias 22 e 25 de outubro em Muriaé, apontou índice de infestação de 1,8, que é classificado como “médio risco”.

O LIRAa é uma metodologia que ajuda a mapear os locais com altos índices de infestação do mosquito Aedes aegypti e, consequentemente, identificar os criadouros predominantes e a situação de infestação do município. O índice é considerado satisfatório quando fica abaixo de 1%.

Este é o quarto e último LIRAa realizado na cidade em 2018. Os três primeiros levantamentos foram coletados em janeiro, abril e agosto, respectivamente. Os bairros e locais com os maiores índices apontados pelo LIRAa deste mês são: Recanto Verde, Gávea, Coronel Izalino, Primavera, Quinta das Flores, Vale do Castelo, São Francisco, Santo Antônio, Pontilhão, Centro, João VI, Boa Vista, Jardim das Palmeiras, Alto do Castelo, Dornelas, Barra Alegre, Santa Helena, Posto Presidente, Barra e Armação.

“Moradores destas localidades devem se mobilizar para diminuir o índice, escolhendo um dia da semana para fazer a remoção de focos do mosquito”, orienta a diretora de Saúde Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde, Carla Morcerf. “Estamos entrando na época de alta transmissibilidade das doenças causadas pelo Aedes aegypti, por isso a importância da prevenção semanal em nossas casas”, completa.

 

Ações durante o ano todo - Embora o período de incidência de proliferação do Aedes aegypti seja entre o período chuvoso, durante todo ano a Prefeitura realiza ações de combate ao mosquito, como visitas periódicas às residências, campanhas educativas, atendimento às denúncias, entre outras. As denúncias são anônimas e podem ser feitas pelo telefone 3729-1301. Os chamados são averiguados em até 24h.

 

Formas de prevenir a infestação do Aedes - A melhor forma de evitar a proliferação do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya é combater os focos em locais propícios para a criação do Aedes. Para isso, é importante tomar medidas como: não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampas de refrigerantes, pneus velhos, jarros de flores, garrafas, caixas d’água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras; jogar cloro nos ralos, colocar areia em vasos de plantas e os baldes em áreas cobertas virados para baixo, limpar vasilhas de animais com esponja, entre outros.

A Secretaria Municipal de Saúde orienta também o uso de repelentes no início do dia e fim da tarde, e no caso de suspeita de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, a orientação é que pessoa procure imediatamente uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

Já quem for à rede particular deve pedir ao médico que faça uma notificação da suspeita da doença e envie-a à Secretaria de Saúde, para que seja feito o bloqueio e o avanço seja contido na cidade. O formulário está disponível no site do Ministério da Saúde. 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Defesa Civil alerta para possibilidade de chuvas nesta quinta-feira

Publicado em 25/10/2018 às 15h57

A Defesa Civil alerta para a possibilidade de chuvas fortes para a tarde desta quinta-feira, 25 na zona urbana de Muriaé. De acordo com Boletim divulgado na manhã de hoje, há chances de 90% de chuvas nos períodos de tarde e noite. A Umidade relativa do ar é de 91% e o volume estimado é de 25mm. O acumulado das últimas 72 horas soma 2,7 mm e durante todo o mês de Outubro choveu o acumulado de cerca de 3,9 mm.

A previsão de chuvas se mantém até sábado, 27.

Categoria: Mundo, Região
Comentários (0) e Compartilhar

Moradores da floresta: novo vídeo da série ilustra cachorros raros da Amazônia

Publicado em 23/10/2018 às 16h38

Armadilhas fotográficas foram instaladas na Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre, para monitorar espécies silvestres

O WWF-Brasil lança hoje, 23 de outubro, mais um vídeo da série "Moradores da Floresta", que ilustra dois canídeos raros: o cachorro-vinagre (Speothos venaticus), e seu parente cachorro-do-mato-de-orelha-curta (Atelocynus microtis).

De caráter educativo, os vídeos da série "Moradores da Floresta" trazem informações sobre algumas das espécies mais marcantes e raras das florestas da Amazônia, a partir de imagens capturadas por armadilhas fotográficas, instaladas na Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes (AC).

Com pouco mais de dois minutos, o vídeo apresenta diferenças e semelhanças entre as duas espécies de canídeos, e ilustra imagens inusitadas, como a do cachorro-do-mato-de-orelha-curta saboreando um lagarto, um dos seus principais alimentos. Espécie exclusiva da Amazônia, o cachorro-do-mato-de-orelha-curta, também chamado de raposinha, é um animal que se caracteriza por viver de forma solitária, apesar de existirem registros de casais caçando juntos. Já o cachorro-vinagre é o único canídeo brasileiro que vive e caça cooperativamente.

As semelhanças revelam o triste lado da história de cada espécie. Ambos cachorros são classificados como vulneráveis pela Lista Vermelha Fauna Brasileira, e "quase ameaçadas" pela União Internacional pela Conservação da Natureza (UICN).

De acordo com Felipe Spina, biólogo e analista de conservação do WWF-Brasil, o monitoramento é importante para revelar informações sobre as espécies, mas, principalmente, para mostrar o impacto da ação humana na vida da floresta. "Sabemos que a perda e a degradação do habitat natural causadas pelo desmatamento e o aumento de obras de infraestrutura, como estradas e hidrelétricas, são algumas das principais ameaças à sobrevivência dessas espécies. Outros fatores como atropelamento também causam muita pressão sobre os animais silvestres. E no caso específico desses cachorros silvestres, eles também podem contrair doenças transmitidas por cães domésticos que adentram a floresta", explica.



Moradores da Floresta
Ao todo, serão 10 vídeos, um a cada mês, que retratam os resultados de uma iniciativa que instalou 20 armadilhas fotográficas no interior da Resex. O trabalho inédito, feito em parceria com os comunitários da reserva extrativista, têm monitorado a fauna presente nas áreas de manejo florestal da unidade de conservação (UC).

O primeiro vídeo, divulgado em abril deste ano, mostrou o primeiro registro em florestas amazônicas da pacarana (Dinomys branickii), espécie rara e pouco conhecida da ciência. Em setembro, a anta, o maior mamífero da América do Sul, foi a espécie de destaque.

O trabalho é uma parceria entre WWF-Brasil, Cooperativa dos Produtores Florestais Comunitários (Cooperfloresta) e Associação de Moradores e Produtores da Reserva Extrativista Chico Mendes em Xapuri (Amoprex), com apoio do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do conselho gestor da Resex Chico Mendes.

Armadilhas
As armadilhas fotográficas são câmeras normais equipadas com melhorias tecnológicas e apropriadas para o ambiente selvagem. Elas ficam escondidas e amarradas em árvores, funcionando com sensores de luz. Toda vez que um animal passa pela frente do equipamento, a câmera dispara automaticamente e tira uma foto ou inicia uma gravação audiovisual.

Essas câmeras utilizam infravermelho gravando bem à noite sem necessitar de luz adicional, e não espantam ou agridem os animais. Por isso, elas vêm sendo cada vez mais adotadas por conservacionistas ao redor do globo.

Desde que foram instaladas na Resex Chico Mendes, em dezembro de 2017, as câmeras fizeram mais de 2 mil registros. A instalação aconteceu em oficinas que reuniram cerca de 20 extrativistas e quatro deles foram treinados para serem os "operadores locais" dos equipamentos.

Mais de 30 espécies diferentes de animais foram flagradas pelas câmeras, entre elas estão tatus (Dasypus sp.), veados (Mazama sp.), macacos-guariba (Alouatta seniculus), macacos-prego (Cebus apela), jaguatiricas (Leopardus pardalis), entre vários outros.

Sobre a Resex Chico Mendes
A Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes foi criada em 1990 e possui mais de 970 mil hectares. Ela abrange sete municípios do Acre e cerca de 10 mil pessoas moram na reserva. A Resex é uma das 117 unidades de conservação apoiadas pelo Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA).

Sobre o WWF

O WWF-Brasil é uma organização não governamental brasileira dedicada à conservação da natureza, com os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. Criado em 1996, o WWF-Brasil desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, a maior rede mundial independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.
 
Veja o vídeo abaixo:
 
Categoria: Brasil, Geral
Comentários (0) e Compartilhar

Demsur inicia trabalho de urbanização dos reservatórios

Publicado em 23/10/2018 às 16h26

Desde o início do ano o Demsur já instalou 10 novos reservatórios no município de Muriaé, além de ter reformado um outro. Alguns deles já entraram em funcionamento e outros estão passando pelo procedimento de instalação hidráulica e, em breve, irão beneficiar boa parte da população.

Paralelamente a este trabalho a autarquia iniciou o serviço de urbanização dos reservatórios, que consiste em construção de alambrados, portões, iluminação e paisagismo.

A maior parte dos tanques estava em locais sem a menor proteção, extremamente vulneráveis a invasões e até a contaminações, motivo que levou a autarquia a iniciar o cercamento destes pontos logo após a instalação dos reservatórios.

O serviço já está sendo feito nas unidades dos bairros Dornelas II, Gaspar, João VI e João XXIII. As obras vão prevenir incidentes com crianças e evitar o acesso de vândalos, além de facilitar o acesso dos servidores para manutenções.

A urbanização dos reservatórios vai muito além de uma melhoria estética, simboliza comprometimento e responsabilidade com o bem público, além de otimizar a prestação de serviços à comunidade muriaeense.

 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Demsur entra na reta final de preparação para funcionamento da ETE Principal

Publicado em 20/10/2018 às 17h01

Faltam poucos detalhes para que a Estação de Tratamento de Esgoto - ETE Principal entre em funcionamento e aumente, consideravelmente, a quantidade de resíduos tratados em Muriaé. A unidade chegou a ser inaugurada em 2015, mas, na prática, nunca entrou em atividade por problemas técnicos.

No início de 2017 a atual gestão da autarquia identificou inúmeras falhas que impossibilitavam o funcionamento da unidade. Desde então, o Demsur intensificou ações para corrigir tais problemas como instalação de novos painéis elétricos nas elevatórias, aquisição de novas bombas e revisão de toda a extensão da rede.

Nessa semana, a ETE recebeu visita de engenheiros ambientais que realizaram uma vistoria visando a certificação ambiental. A expectativa é que a autarquia receba a licença nos próximos dias.

Atualmente as ETE's dos bairros Safira e José Cirilo, juntas, tratam cerca de 33% do esgoto produzido no município e ao iniciar o funcionamento da ETE Principal o Demsur passará a tratar 50% desses resíduos. O objetivo é atingir a marca de 60%  até o final de 2020.

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Demsur realiza obra de interligação da rede de esgoto no Porto

Publicado em 20/10/2018 às 16h53

Autarquia realiza últimos trabalhos antes do início das atividades da ETE Principal

Um trecho da rua Coronel Pereira Sobrinho, no bairro Porto, ficou parcialmente interditado nesta quinta-feira (18) para uma intervenção na rede de esgoto. O trabalho faz parte dos reparos e obras necessárias para o funcionamento da Estação de Tratamento de Esgoto – ETE Principal.

A via, no sentido Centro-Porto, ficou interditada para a passagem de veículos a fim de que se realizasse uma Interligação da rede de esgoto na rede interceptora, que levará os resíduos até a ETE Principal.

A partir da próxima segunda-feira (22) será feita interligação em outros dois pontos da rua Coronel Pereira Sobrinho (entre a paróquia Nossa Senhora Aparecida e a Escola Estadual Professor Gonçalves Couto). Neste caso a via ficará totalmente interditada para a passagem de veículo durante o período da obra, que terá duração de três dias.  

O Demsur está em fase final de testes, intervenções e nos próximos meses a ETE Principal entrará em funcionamento aumentando em cerca de 20% a capacidade de tratamento de esgoto de todo o município. Investir em saneamento urbano é cuidar da saúde pública.

 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

left show tsN fwR fsN|left fwR tsN|left show fwR tsN|bnull|||login news c05|fsN fwR normalcase c05 tsN|c05|login news fwR normalcase c05|tsN fwR c05 normalcase|normalcase fwR c05|content-inner||