Meio Ambiente

Demsur intensifica trabalho de limpeza pela cidade

Publicado em 03/10/2018 às 09h07

O trabalho de limpeza no município de Muriaé é contínuo. Devido ao investimento realizado pelo Demsur este ano, no setor, aumentaram as equipes nas ruas e, com isso, o trabalho ganhou em eficiência e agilidade.

Em aproximadamente 2 meses todos os bairros da cidade foram contemplados com os serviços de capina, roçagem e caiação. Muitas pessoas não percebem porque o trabalho é contínuo, ou seja, as equipes já iniciaram uma nova etapa conforme o cronograma estabelecido pelo Departamento de Limpeza Urbana - DLU.

Nessa semana acontece trabalho de capina nos bairros Bom Pastor, Santana, Santo Antônio e São Cristóvão. O importante trabalho de roçagem está sendo feito às margens do córrego no bairro João XXIII e, também, será executado nos trevos próximos às rodovias que cortam o município.

Nos próximos dias o Demsur inicia o trabalho de limpeza, incluindo caiação, nos cemitérios da cidade, visando a celebração de Finados, que ocorrerá no dia 02 de novembro.

O investimento em mais equipes nas ruas, aliado às cerca de 500 papeleiras instaladas somente este ano, em vários bairros de Muriaé, refletem em uma cidade mais limpa e um ambiente mais agradável para os muriaeenses.

Categoria: Muriaé
Comentários (1) e Compartilhar

Novos Ipês são plantados no Cemitério Municipal

Publicado em 03/10/2018 às 09h00

Árvores plantadas estão em bom estágio de crescimento e poderão fornecer frescor ao local, melhorando bem-estar da população que precisa frequentar o ambiente

A Prefeitura realizou o plantio de oito mudas de ipês na última segunda-feira (1º) no Cemitério Municipal, nas proximidades da capela mortuária, para que as árvores possam gerar sombra e tornar o local mais agradável para o público. Os ipês estão em bom estágio de crescimento e deverão fornecer mais frescor para o espaço, melhorando o bem-estar da população que precisa frequentar aquele ambiente.

As árvores antigas existentes no cemitério eram de espécies que possuem raízes muito longas e profundas, podendo prejudicar o muro de contenção que foi construído para permitir a formação de uma nova área para jazigos. Outro motivo que envolve a mudança é a questão das árvores estarem antigas, oferecendo perigo dos galhos quebrarem e machucarem os visitantes. Segundo o engenheiro florestal e funcionário da Secretaria de Agricultura, Sérgio Vilhena, a solicitação de corte foi enviada para o Conselho Municipal de Conservação e Defesa do Meio Ambiente (CODEMA), que autorizou o serviço.

"As árvores que foram cortadas no cemitério estavam muito altas, antigas e algumas delas com cupim. Elas estavam a ponto de danificar o aterro construído no local, onde fica o guarda-corpo. O pedido de corte delas foi enviado ao Codema para que todos pudessem votar na solicitação e foi aprovado. Agora, foram implantadas novas espécies no lugar daquelas que estavam velhas e já apresentavam perigo. Existe um tipo de árvore adequado a cada tipo de lugar. Os ipês irão crescer daqui a algum tempo e vão dar certa aclimatação ao ambiente", disse o engenheiro florestal.

O Codema é órgão formado por 22 membros de órgãos públicos e sociedade civil de Muriaé. Envolve polícia florestal, ambientalistas, presidentes de associações de bairro, vereadores, entre outros. Ele se reúne nas últimas quintas-feiras de cada mês para deliberar sobre as solicitações de corte e analisa caso a caso o que deve ser feito. Geralmente, as reuniões acontecem no 1º andar do Centro Administrativo, IFET ou Zaccaria Marques. Pessoas interessadas em assistir podem participar das sessões.

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Super Liga da Energia: Energisa lança campanha para conscientização do consumo

Publicado em 02/10/2018 às 17h05

O Grupo Energisa acaba de lançar a campanha “Super Liga da Energia”, em que os personagens Clara, Marcelo e Carol darão dicas de consumo e uso eficiente de energia elétrica. A proposta é incentivar a população a mudar hábitos de consumo de energia para que não haja desperdício e, assim, consiga economizar não só dinheiro, mas também alcançar bem-estar e ainda preservar o meio ambiente.

O público será incentivado a participar, por meio das redes sociais, onde os personagens também estarão presentes. A ideia é que as pessoas mostrem suas práticas diárias de economia no Facebook, Instagram, YouTube e LinkedIn utilizando as hashtags #SuperLigadaEnergia e #Eufaçoparte e mencionando o perfil da empresa (@energisa). No Instagram, os usuários ainda poderão inserir GIFs e stickers especiais em suas stories com as estampas “Super Liga da Energia”, “Vai lá e faz”, “Se liga na economia”, “Energisa” e “Aneel”. A campanha também conta com um hotsite, com conteúdos exclusivos e espaço para a interação do público: <www.energisa.com.br/superligadaenergia> ou <www.superligadaenergia.com.br>.

Internamente, a campanha também atinge os colaboradores da Energisa por meio das dos grupos no WhatsApp e da intranet. Também foram gravados vídeos de 15 segundos que estão sendo disponibilizados no hotsite, contando como conseguiram reduzir o consumo de energia em casa e no trabalho.

Crescimento do consumo

A reboque da recuperação econômica no Brasil, o consumo de energia elétrica vem crescendo ao longo do ano. Em agosto, constatou-se aumento do consumo de 1,3%, em comparação com o mês equivalente de 2017. É o que indicam os dados prévios da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) divulgados em setembro.

E foi para combater o desperdício de energia que o Grupo Energisa investiu, nos últimos três anos, por meio do Programa de Eficiência Energética da ANEEL, R$ 233,17 milhões em projetos de eficiência energética nas suas áreas de concessão. Ao todo, foram mais de 650 mil unidades consumidores beneficiadas, proporcionando uma economia de 192.064 MWh/ano. Essa energia é suficiente abastecer aproximadamente 72.751 residências, com consumo mensal de 200KWh, durante um ano.

Sobre o Grupo Energisa

Com 113 anos de história, o Grupo Energisa é um dos maiores do Brasil em distribuição de energia elétrica. Uma das primeiras empresas a abrir capital no Brasil, a companhia controla onze distribuidoras em Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro, Sergipe, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, São Paulo, Paraná, Rondônia e Acre. Hoje são aproximadamente 6,6 milhões de clientes – o que representa uma população atendida de cerca de 16 milhões de pessoas – em 788 municípios em todas as regiões do Brasil. Com receita líquida anual de R$ 13,6 bilhões, o grupo gera aproximadamente 16 mil empregos e recentemente arrematou as Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron) e a Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre), anteriormente operadas pela Eletrobras, em leilão realizado pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).  

Com a missão de transformar energia em conforto, desenvolvimento e oportunidades de forma sustentável, responsável e ética, a Energisa atua com um diversificado portfólio que engloba distribuição, geração, serviços para o setor elétrico (Energisa Soluções), serviços especializados de TI e Call Center (Multi Energisa), comercialização de energia (Energisa Comercializadora) e, mais recentemente, transmissão.

Categoria: Muriaé, Região
Comentários (0) e Compartilhar

Filtro barato elimina chumbo e metais tóxicos da água

Publicado em 02/10/2018 às 08h06

Cientistas descobriram um filtro que purifica a água contaminada com metais pesados e pode transformá-la em água potável em minutos.

A descoberta é de pesquisadores da Universidade de Nova Gales do Sul (UNSW) e do Instituto Real de Tecnologia de Melbourne (RMIT), ambos na Austrália.

Kourosh Kalantar-zadeh, professor da UNSW e seus colegas da RMIT, mostraram que nanofiltros feitos de óxido de alumínio poderiam ser produzidos de forma barata, praticamente sem energia, por meio de uma quantidade fixa de gálio metal líquido. O estudo foi publicado na revista Advanced Functional Materials.

Kalantar-zadeh acredita que a tecnologia poderia ser bem aproveitada na África e na Ásia, principalmente nos lugares aonde íons de metais pesados na água estão em níveis muito além do consumo seguro.

Estima-se que 790 milhões de pessoas do planeta não tenham acesso à água limpa. “Se você tem água de má qualidade, basta levar um aparelho com um desses filtros”, comentou o professor. “Você derrama a água contaminada no topo de um frasco com o filtro de óxido de alumínio. Aguarde dois minutos e água fica limpa, completamente potável. E o bom é que esse filtro é barato.”

Como

Ele explica que quando um pedaço de alumínio é adicionado ao núcleo de gálio líquido em temperatura ambiente, camadas de óxido de alumínio são rapidamente produzidas na superfície do gálio.

Os cientistas também descobriram que as nanofolhas de óxido de alumínio são porosas e adequadas para filtrar íons de metais pesados e contaminação de óleos.

Segundo Kalantar-zadeh, os filtros portáteis e de baixo custo deste novo processo de fabricação podem ser usados por pessoas sem acesso a água potável para remover substâncias como chumbo e outros metais tóxicos em questão de minutos. “Por ser porosa, a água passa muito rapidamente. O chumbo e outros metais pesados têm afinidade com o óxido de alumínio. À medida que a água passa por bilhões de camadas, cada um desses íons de chumbo é atraído por uma dessas folhas de óxido de alumínio”, disse.

“Mas, ao mesmo tempo, é muito seguro, porque com o uso repetido, o fluxo de água não consegue separar os íons de metais pesados do óxido de alumínio.”

Preço

De acordo com os pesquisadores, já existem alguns filtros que removem metais, mas a maioria é cara e custa cerca de US$ 100. Já os filtros de óxido de alumínio podem ser fabricados por 10 centavos de dólar, podendo ser comercializado por um preço baixo. “Para produzir óxido de alumínio, é preciso processar alumínio acima de mil graus ou usar outros processos intensivos de energia”, informou Kalantar-zadeh. “Consumir tanta energia o torna extremamente caro. Agora estamos falando de algo que pode ser feito até sob o sol no verão de 35 graus.”

De acordo com Kalantar-zadeh, a intenção é que esta pesquisa seja usada por outros cientistas, para que eles possam desenvolver melhorias nas águas do mundo.

Com informações da Galileu

Fonte: Só Notícia Boa

Categoria: Dicas, Geral
Comentários (0) e Compartilhar

Em parceira com a iniciativa privada, Demsur inicia projeto para tratar esgoto de 4 bairros

Publicado em 27/09/2018 às 16h20

Todo investimento feito em saneamento urbano reflete diretamente na melhoria da qualidade da saúde pública. Por isso a Prefeitura de Muriaé, por meio do Demsur, firmou parceria com a iniciativa privada para canalizar o esgoto de residências de 4 bairros que, até então, é descartado irregularmente.

Hoje os resíduos dos bairros Vale do Castelo, Alto do Castelo e parte dos bairros São Francisco e Santo Antônio são despejados em um pequeno córrego que fica neste último bairro. Em parceria com a iniciativa privada que (está cedendo mão de obra e maquinário) o Demsur está fornecendo todo o material necessário a construção de 240 metros de rede de esgoto.

De acordo com o Diretor do Departamento de Água e Esgoto da autarquia, Gustavo Goretti, essa é a 1ª etapa do projeto que pretende despoluir o curso de água existente no local e levar esses resíduos para a elevatória do bairro Encoberta que irá bombeá-los até a ETE Principal.

A medida pretende acabar com o mau cheiro no local e também com o aparecimento de insetos e outros animais, proporcionando mais qualidade de vida, especialmente, aos moradores próximos a esse córrego no bairro Santo Antônio.

Após interligar a rede até a ETE principal, a obra irá beneficiar milhares de moradores de vários bairros daquela região. Um benefício incalculável para toda a população, pois significa um investimento na saúde pública dos muriaeenses. 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Nova Estação de Tratamento de Esgoto deverá entrar em funcionamento em outubro

Publicado em 26/09/2018 às 14h26

Prefeitura e Demsur reestruturam estação para tratar 50% do esgoto da cidade, contribuindo com meio ambiente e qualidade de vida de muriaenses

A nova Estação de Tratamento de Esgoto Principal (ETE-Principal), localizada nas margens do Rio Muriaé, está desde o ano passado recebendo reparos e adaptações para entrar em funcionamento. A estimativa é que a nova ETE passe a funcionar em outubro. A Prefeitura, por meio do Demsur, está organizando as elevatórias e refazendo a parte elétrica para que os serviços iniciem e permita que 50% de todo esgoto da cidade seja tratado e devolvido aos rios, purificado. Ação visa contribuir com o meio ambiente e com a qualidade de vida dos muriaeenses.

Hoje Muriaé tem 33,92% do esgoto tratado segundo dados do Sistema Nacional de Informação sobre Saneamento (SNIS-2017). Este percentual é atingido através do funcionamento das Estações de Tratamento de Esgoto do bairro Safira e José Cirilo. O diretor do Departamento de Água e Esgoto da autarquia, Gustavo Goretti, explica que primeiramente foi realizado um diagnóstico do que precisaria ser reestruturado para que o sistema pudesse funcionar. “As elevatórias que estavam prontas estavam com as entradas de energia elétrica totalmente fora das especificações e não havia como rodarem. A estação estava com o equipamento de tratamento do lodo antiquado, não conseguiria digerir o material recebido pelos depósitos. A estrutura construída não estava pronta pra funcionar”, informou o diretor.

Há 12 meses as elevatórias estão sendo restabelecidas e a parte elétrica refeita. A ETE está ganhando novos painéis equipados com inversores de freqüência, assim como novas bombas para tratamento do lodo. A fase é de conclusão dos serviços. Em 30 dias, a captação iniciará nos bairros, onde já foram instaladas as elevatórias. De imediato, ela irá operar com um pequeno percentual de sua capacidade total. Muitas localidades ainda deverão receber melhorias no sistema de coleta de esgoto. O objetivo da Administração é tratar até 70% do esgoto nos próximos dois anos.

Como é formado o esgoto

O esgoto é formado pela água utilizada nas atividades diárias, como lavar a louça, roupas, tomar banho, dar descargas em vasos sanitários. Além da água servida, o esgoto contém dejetos e, se não receber o tratamento adequado, contamina o meio ambiente e prejudica a saúde pública. 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

São Joaquim: Demsur realiza substituição de mais de 400 metros de rede de esgoto

Publicado em 26/09/2018 às 14h21

A Prefeitura de Muriaé, por meio do Demsur, iniciou mais uma etapa na substituição de redes antigas de esgoto por uma tubulação mais moderna. Desta vez o trabalho está sendo realizado no bairro São Joaquim e pelas próximas seis semanas serão instalados mais de 400 metros de nova rede.

A intervenção começou pela avenida Antônio Tureta, próximo à Rua João Micael, e se estenderá até o final da rua Benito Dala Paula. Estima-se que os trabalhos para a execução se estendam até 02 de novembro de 2018, no entanto, em caso de chuvas ou outros imprevistos essa data poderá ser prolongada.

Durante a realização dos trabalhos as referidas vias ficarão totalmente interditadas para a passagem de veículos entre 7h e 17h, durante a semana. Nos finais de semana não haverá bloqueio do trânsito. 

 A substituição das antigas manilhas de cerâmica por tubos de PVC representa mais economia para o município, pois são mais resistentes. É importante, ainda, destacar o fator ecológico, já que evitar a possibilidade de constantes vazamentos é proteger o meio ambiente, diminuindo, consideravelmente, o risco de contaminação do lençol freático.  

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

FASM realiza I Simpósio Regional de Educação Ambiental

Publicado em 25/09/2018 às 16h42

A Faculdade Santa Marcelina (FASM) realiza nestes dias 25 e 26 de setembro, o I Simpósio Regional de Educação Ambiental com o tema Desafios da Educação Ambiental no século XXI. O evento, organizado pelos professores Douglas Soares Cirino e Felipe da Silva Costa, terá palestras nos dois dias mais a realização de minicursos. Veja abaixo a programação:

 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Estudo pioneiro sobre solos da Mata Atlântica é publicado na revista Restoration Ecology

Publicado em 24/09/2018 às 15h33

Pesquisa do Centro de Ciência e Sustentabilidade da PUC-Rio levantou indicadores inéditos que podem melhorar a qualidade da restauração de ecossistemas

Um estudo pioneiro sobre as características do solo da Mata Atlântica, desenvolvido pelo Centro de Ciência e Sustentabilidade da PUC-Rio, foi publicado pela revista Restoration Ecology, uma das mais importantes plataformas internacionais do meio acadêmico. A divulgação do artigo é um reconhecimento ao trabalho, que se tornou uma das principais linhas de pesquisa do CSRio e do Instituto Internacional para Sustentabilidade (IIS).

As novas perspectivas podem melhorar as atividades de restauração da Mata Atlântica, favorecendo a qualidade e acelerando o crescimento da vegetação. A ideia inicial foi investigar a relação solo versus restauração no bioma Mata Atlântica e surgiu da pesquisa de graduação em Geografia pela PUC-Rio, feita pela aluna Maiara Mendes. Maiara é hoje pesquisadora do CSRio (Centro de Ciência da Sustentabilidade da PUC-Rio).

"A partir da revisão da literatura, nós fomos buscando nas bases de dados trabalhos sobre restauração no bioma Mata Atlântica e que tivessem análises de solo disponíveis. Quando percebemos que não havia muitos, resolvemos nos aprofundar nesse assunto. Integrar o conhecimento entre que acontece na cobertura florestal e no solo é um desafio. A partir de agora, podemos direcionar melhor os esforços de restauração", explica a líder do estudo.

A investigação dos solos da Mata Atlântica foi realizada na Zona Oeste do Rio de Janeiro de maneira interdisciplinar, integrando os saberes da Geografia e da Ecologia. Com o título traduzido do original em inglês "Olhe para baixo - existe uma lacuna - a necessidade de incluir dados de solo na restauração da Mata Atlântica", a pesquisa revela que o solo continua sendo um aspecto sub-investigado e negligenciado em análises sobre restauração. Coautora do estudo, a doutoranda de Geografia da PUC-Rio, Aline Rodrigues, destaca:

"A maioria das investigações sobre restauração da Mata Atlântica não considera indicadores de qualidade do solo. Ao acessar essas informações, temos uma compreensão melhor sobre os processos que estão ocorrendo nas áreas de restauração. Quanto mais fatores forem levados em consideração, mais chances de sucesso", indica.

De acordo com Agnieszka Latawiec - Professora do Departamento de Geografia da PUC-Rio, Coordenadora do CSRio e diretora executiva IIS - que orientou a pesquisa, a necessidade de aprofundamento na questão dos solos é antiga.

''A escassez dos estudos sobre a relação entre solo e restauração da Mata Atlântica foi percebida há alguns anos e pode, de certa forma, ser explicada pelo maior interesse dos pesquisadores que trabalham com restauração na parte 'verde'. Quem estuda solo se concentra mais nos processos químicos e físicos do que no que acontece acima da terra. A pesquisa é muito importante e por isso alcançou essa conquista rara, que é um aluno da graduação conseguir publicar numa revista de alto impacto".

O trabalho de campo foi realizado entre 2016 e 2017.

Categoria: Brasil
Comentários (0) e Compartilhar

Pontes e bueiros são instalados na Vila Conceição e Macuco

Publicado em 24/09/2018 às 15h28

Ação pretende recuperar vias para oferecer acesso seguro para produtores rurais e agricultores da região

Novas pontes e bueiros estão sendo instalados pela Prefeitura para facilitar o trânsito de veículos. A ponte do Retiro, localizada na região da Vila Conceição, atrás da AABB, foi reconstruída no dia 11 de setembro. Já os bueiros foram implantados na estrada de Belo Monte, distrito de Macuco, entre os dias 17 e 21. A ação pretende recuperar as vias para oferecer acesso mais seguro a agricultores, produtores rurais e veículos que fazem o transporte escolar.

A ponte era antiga e sem manutenção, por isso precisava ser substituída por já possuir tempo de vida equivalente a mais de 14 anos. Mais de 50 pontes foram construídas nos dois últimos anos.  

Já as canalizações de córregos e bueiros precisam ser feitas periodicamente. Eles são necessários para facilitar o escoamento das águas, desobstruindo vias de terra para que haja trânsito seguro e garantir vias mais secas e estruturadas. Uma equipe da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente faz o monitoramento das estradas de terra permanentemente, para não deixar que surjam áreas barrentas que possam levar os veículos ou charretes ao atolamento.

Reformas e reconstrução de pontes, implantação de bueiros e galerias garantem a trafegabilidade de veículos de carga e de passageiros. Todas as obras visam dar mais tranquilidade aos moradores da área rural.  “Estamos com estradas mais secas e trafegáveis. Muitas vezes, nós que vivemos do cultivo da terra ou da criação de animais, precisamos ir de três a quatro vezes à cidade para comprar suprimentos. Logo, o caminho precisa estar adequado”, afirmou o morador da Vila Conceição, Carlos Alberto.

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

left show tsN fwR fsN|left fwR tsN|left show fwR tsN|bnull|||login news c05|fsN fwR normalcase c05 tsN|c05|login news fwR normalcase c05|tsN fwR c05 normalcase|normalcase fwR c05|content-inner||