Cultura

Milhares de pessoas assistem aos desfiles cívicos do Dia do Muriaeense e Independência do Brasil

Publicado em 10/09/2018 às 15h14

Eventos promovidos pela Prefeitura na Rua Coronel Domiciano celebraram datas e valorizaram tradições

Milhares de pessoas compareceram à Rua Coronel Domiciano, Centro, para assistir aos tradicionais desfiles cívicos em comemoração ao Dia do Muriaeense e à Independência do Brasil, que aconteceram, respectivamente, na última quinta e sexta-feira (6 e 7). Promovidos pela Prefeitura, os eventos tiveram o objetivo de celebrar as datas e valorizar as tradições.

No dia 6 (Dia do Muriaeense), a programação teve início com homenagens ao ex-prefeito Antônio Canêdo, que instituiu em 1958 o feriado que se tornou uma das principais datas comemorativas da cidade. A homenagem aconteceu no busto do ex-prefeito, localizado na Avenida Constantino Pinto, Centro. Em seguida, alunos e professores das escolas da rede pública municipal desfilaram sobre o tema “Formas de mudar o mundo - Juntos podemos mais”.

O Dia da Independência (7 de setembro) foi marcado pelo hasteamento das bandeiras do Brasil, Estado e de Muriaé no Paço Municipal e desfile, na Coronel Domiciano, de órgãos da segurança pública. Com o tema "Cidadania - Autores da própria história", neste dia também foram apresentados ao público os serviços oferecidos pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Fundarte.

 

Salto de paraquedistas proporciona espetáculo no céu de Muriaé

Ainda no dia 6, paraquedistas da equipe Os Cometas, pertencente ao Comando da Brigada de Infantaria Paraquedista do Rio de Janeiro, deram um show no céu de Muriaé. Centenas de pessoas assistiram ao salto dos militares no Ginásio Poliesportivo Rodrigo Flores de Abreu “Rodrigão”, na tarde de quinta-feira.

Promovida pela Prefeitura, em parceria com o Exército Brasileiro, a iniciativa inédita parabenizou os muriaeenses pela data. Houve ainda atrações para as crianças, como pula-pula e distribuição de pipoca, algodão-doce e picolé.

O prefeito parabeniza dos muriaeenses pelo seu dia, afirmando que “os dias 6 e 7 de setembro são expressivos e momentos especiais para nossa cidade e nosso povo”. 

Categoria: Muriaé
Comentários (1) e Compartilhar

Tragédia repetida: há 50 anos, fogo consumiu livros raros no Caraça

Publicado em 10/09/2018 às 08h13

O ano de 2018 será lembrado, no futuro, como aquele em que o país perdeu parte da sua memória em meio aos escombros do Museu Nacional, no Rio de Janeiro. Mas os brasileiros de agora têm como registro e lição para não esquecer os 50 anos de outro incêndio devastador para a educação e a cultura, que pôs fim a um dos primeiros colégios de Minas: o Caraça, cujas terras ficam entre Catas Altas e Santa Bárbara, na Região Central. Numa madrugada fria de 1968, o fogo destruiu quase por completo a escola e o seminário. Cerca de 15 mil livros, alguns deles raros, se transformaram em cinzas. Não houve vítimas.

As investigações mostraram que a origem das labaredas estava num fogareiro elétrico com 500ml de cola de couro de boi usada na recuperação dos livros. A substância transbordou e o fogo se propagou no primeiro andar, num ambiente propício, já que o interior era todo de madeira. No escuro, um ex-aluno que estava na enfermaria, dormindo – a porta desse serviço era em frente à encadernação – acordou assustado sentindo o forte cheiro de queimado e deu o alerta. A partir daí, os seminaristas, nos dormitórios do terceiro andar, foram retirados. Não houve feridos e se encerrou ali um capítulo na história da instituição.

O tempo passou e o Santuário do Caraça, chamado de “Porta do Céu” se tornou, junto da religiosidade que o marca, um grande centro turístico, ambiental e cultural de Minas – administrado pela Província Brasileira da Congregação da Missão, recebe milhares de visitantes do mundo inteiro. E quem estudou lá tem vivas as memórias de uma época. Nos próximos dias 28 e 29, como ocorre anualmente, um grupo de ex-alunos vai se reencontrar no local, viajando de trem, para falar dos tempos de estudante e da tragédia que atingiu o antigo colégio em 28 de maio de 1968. “Não podemos nos esquecer, até para que não ocorra mais em lugar nenhum. Ficou um sentimento de tristeza e preocupação com o patrimônio”, diz o presidente da Associação dos Ex-alunos dos Lazaristas e Amigos do Caraça (Aealac), Mariano Pereira Lopes, de 74 anos, que estudou no Caraça entre 1957 e 1962.

PERDAS Na edição de 29/5/1968, o assunto foi destaque no Estado de Minas: “O Colégio Caraça foi quase completamente destruído, ontem, por um incêndio que durou oito horas e deu prejuízos de quase dois bilhões de cruzeiros antigos. O fogo começou às 3 horas da madrugada e foi debelado com o concurso de 100 homens do Corpo de Bombeiros. Somente a coleção de livros da biblioteca do educandário, destruída pelas chamas, estava avaliada em mais de um bilhão de cruzeiros antigos. Outros danos foram provocados pela destruição dos laboratórios, dormitórios e salas de aula. Apenas a ala de residência dos padres, o refeitório e a igreja não foram atingidos”.

E mais: “O Corpo de Bombeiros utilizou seis viaturas de pequeno e grande portes para conter o incêndio. Não houve feridos, apesar de alunos e padres se encontrarem dormindo à hora em que se iniciou o sinistro. O grito de um aluno foi o sinal de alarme. No mesmo instante, padres e estudantes começaram a abandonar o interior do colégio, atirando roupas, livros, sapatos e dinheiro pelas janelas dos dormitórios, no terceiro andar. Era a corrida contra a morte. As escadas que conduzem ao térreo foram envolvidas pelas chamas e muitos alunos encontraram dificuldades para transpô-las. O fogo consumiu quase tudo, desde obras dos grandes escritores modernos até preciosidades literárias das línguas francesa, italiana e latina. Somente uma coleção em latim, uma das únicas ainda existentes no mundo, tinha seu valor calculado em mais de vinte milhões de cruzeiros antigos”.

O diretor do Caraça, padre Lauro Palú, que estudou lá entre 1953 e 1956, acredita que o bem mais precioso que se perdeu com o incêndio foi “o ambiente que havia, a meninada estar no meio do mato, vivendo intensamente feliz uma vida de estudos, oração, amadurecimento, descobrimento do mundo. Hoje não conseguiríamos de novo aquela riqueza de afetos, aquele conjunto de coisas cerimoniosas que nos levavam da infância, pela adolescência, a uma juventude aberta, a uma vida adulta cheia de saúde, de cultura, de desafios que vencíamos com naturalidade, com a simplicidade de quem sentia que estava preparado para a vida e suas tarefas”.

HISTÓRIA Chamado de Colégio Imperial, o Caraça, por onde passaram mais de 10 mil alunos, abriu como escola em 1820 e só fechou as portas para os alunos seminaristas em 1968. Quatro anos depois, embora sem deixar de ser uma casa religiosa, se transformou em pousada. 

Além do conjunto histórico, onde sobressai a igreja em estilo neogótico, há a parte ambiental. Integrante da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço, o Caraça está na categoria de Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), com 19 mil hectares. Na região, há muitas variedades de orquídeas e vivem centenas de espécies de pássaros e de dezenas de mamíferos, universo reconhecido pelos naturalistas que visitaram a região, no século 19, entre eles o francês Auguste de Saint-Hilaire (1779-1853).

Conhecer o Caraça é também entrar num livro de história do Brasil. As páginas dos primórdios citam a carta-patente, datada de 24 de abril de 1766, na qual o fundador do local, o português Carlos Mendonça Távora, conhecido como Irmão Lourenço de Nossa Senhora – não há registro da data de nascimento, apenas de sua morte, em 1819 – recebe autorização do comissário geral da Terra Santa nos reinos de Portugal e suas conquistas, Frei Manoel de São Carlos, para pedir esmolas e arrecadar dinheiro para a Ordem de São Francisco. 

De acordo com as pesquisas, o Irmão Lourenço, tido e havido como um homem misterioso, pois sua identidade nunca foi esclarecida, chegou à região em 1763. Pertencente à família dos Távoras, nobre, ele teria escapado ao extermínio comandado pelo Marquês de Pombal, em Portugal, depois de um atentado ao rei dom José I. O certo é que, 11 anos depois, ele inaugurou uma pequena capela em estilo barroco, da qual restam dois altares, restaurados, nas laterais da igreja que se vê hoje – datada de 1883, a substituta é considerada a primeira neogótica do Brasil.

As terras do Caraça chegaram às mãos de dom João VI, que ficou no Brasil de 1808 a 1821, mediante testamento. Ao morrer, em 1819, Irmão Lourenço, que está enterrado dentro da igreja, sob o altar de Santo Antônio, legou a igreja e toda a área ao rei, desejando que ali fosse construída uma escola e que mantivesse o cunho religioso. Um ano depois, o monarca doou o conjunto à Congregação da Missão dos Padres Lazaristas, dando início à fase denominada Caraça português.

Eternização on-line

Um site criado na internet busca unir a população numa corrente para que o Museu Nacional do Brasil continue vivo, pelo menos em uma versão on-line. A página EternoMuseuNacional.com convida todos que algum dia visitaram o local a postar as próprias fotos e vídeos do acervo em seus perfis no Instagram, usando a hashtag #EternoMuseuNacional. O conteúdo será direcionado automaticamente para o site, onde os usuários poderão visualizar todo o material. Aos poucos, o site pretende acrescentar informações descritivas para cada peça postada.

Tesouro da natureza

Tombado desde 1955 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o Caraça fabrica vinhos, tem biblioteca com25mil livros, entre eles o
Incunábulo, de 1489, e outro com anotações feitas a bico de pena por dom Pedro II, mantém as velhas catacumbas e se orgulha da tradicional visita noturna ao adrodo lobo-guará (Chrysocyon brachyurus), sempre prontopara devorar pedaços de frango postos numa bandeja pelos padres vicentinos. A presença do lobo, sem dúvida, é atrativo para gente de todas as idades, principalmente para as crianças.

Fonte: www.em.com.br

Abaixo fotos de minha visita recente ao Santuário de Caraça:

Categoria: Muriaé
Comentários (1) e Compartilhar

Corrida da Fogueira de Muriaé está com inscrições abertas

Publicado em 05/09/2018 às 17h00
Marcado para 23 de setembro, evento promovido pela Prefeitura vai reunir competidores da região, incentivando esporte na cidade
 
Já estão abertas as inscrições para a 62ª Corrida da Fogueira de Muriaé. Com premiação total de R$4.200, a tradicional prova realizada pela Prefeitura acontece no dia 23 de setembro, com largada na Praça João Pinheiro para um percurso de 8km. A ideia é reunir competidores muriaeenses e também de toda a região, incentivando o esporte na cidade.
 
As inscrições devem ser feitas até dia 19, exclusivamente pela internet, no site “Corridão” (www.corridao.com.br). O participante deve se registrar no portal (ou acessar sua conta, caso já possua), buscar pelo evento e se cadastrar. Após o fim do processo, será necessário ainda efetuar o pagamento (por meio de boleto bancário ou cartão de crédito) para que a inscrição seja confirmada. Os 150 primeiros a confirmarem vão ganhar uma camiseta exclusiva da prova.
 
Premiação inclui dinheiro, troféus e medalhas
Tanto no masculino quanto no feminino, os vencedores das modalidades principais receberão troféu e premiação em dinheiro. Na categoria “Elite”, os prêmios serão de R$450, R$400 e R$350 para os ocupantes do pódio; já na categoria “Atleta de Muriaé”, primeiro, segundo e terceiro colocados vão faturar R$350, R$300 e R$250, respectivamente. Além disso, também serão conferidas medalhas para os vencedores das categorias divididas por faixa etária.
Categoria: Muriaé
Comentários (1) e Compartilhar

Exposição nos dias 6 e 7 de setembro vai apresentar memórias dos moradores de Muriaé

Publicado em 05/09/2018 às 16h47

Organizada pela Prefeitura, mostra levará novos conhecimentos sobre pessoas que nasceram ou escolheram cidade para viver

O filme “Moradores - A Humanidade do Patrimônio” e o varal fotográfico realizados na feira livre da cidade estarão em exibição no Paço Municipal, localizado na Praça Coronel Pacheco de Medeiros, nesta quinta-feira (6) e sexta-feira (7). Simultaneamente, será realizada a mostra “Museu do Muriaeense” com histórias de importantes personagens da cidade. A exposição organizada pela Prefeitura, por meio da Fundarte, levará aos visitantes novos conhecimentos sobre a história daqueles que nasceram ou que escolheram viver em Muriaé, como forma de valorizar o povo da terra. A entrada é gratuita.

O material do vídeo curta-metragem foi colhido no dia 17 de agosto, quando foi comemorado o Dia Nacional do Patrimônio Histórico. A Fundarte contou com equipe especializada, formada por cinegrafista e repórter, para entrevistar os frequentadores da feira livre, localizada no Mercado Produtor. As pessoas foram questionadas sobre quem eram, o que faziam e até mesmo sobre suas lembranças de fatos históricos ocorridos na cidade. Com os depoimentos, foi feito um filme sobre os moradores e as fotos para o varal fotográfico.

Durante os desfiles cívicos, as pessoas poderão visitar a mostra “Museu do Muriaeense” que também estará exposta no Paço Municipal. A apresentação terá personalidades que fizeram parte da construção histórica do município e exibe biografias e reconstituições fotográficas. O evento, que reúne várias atividades, busca valorizar a identidade cultural dos muriaeenses, reconstituindo a memória dos moradores da cidade.

 

Serviço:

Exposição curta metragem “Moradores – Humanidade do Patrimônio”

Varal fotográfico de personagens de Muriaé

Mostra “Museu do Muriaeense – evento gratuito

 

Dias: quinta-feira (06) e sexta-feira (07)

Hora: 8h às 12h

Local: Arquivo Público Municipal – Paço Municipal

 

Categoria: Muriaé
Comentários (1) e Compartilhar

Desfiles cívicos acontecem nesta quinta e sexta-feira na Rua Coronel Domiciano

Publicado em 04/09/2018 às 15h06

A Avidus School quer contribuir para formar cidadãos com pensamento mais crítico, coletivo e consciente, com unidade moderna e ecológica na Asa Norte

Eventos comemoram, respectivamente, Dia do Muriaeense e Dia da Independência do Brasil, celebrando datas e valorizando tradições

Tradicionais em Muriaé, os desfiles cívicos em comemoração ao Dia do Muriaeense e da Independência do Brasil acontecerão, respectivamente, nesta quinta e sexta-feira (6 e 7). Este ano, os eventos voltam a ser realizados na Rua Coronel Domiciano, Centro. Promovidos pela Prefeitura, os desfiles têm o objetivo de celebrar as datas, resgatar e valorizar as tradições da terra.

Com o tema “Formas de mudar o mundo - Juntos podemos mais”, na quinta-feira (6) o desfile contará com a participação de alunos e professores de todas as escolas da rede pública municipal. Como é tradição, as atividades começam às 8h, com as homenagens ao ex-prefeito Antônio Canêdo, que instituiu em 1958 o feriado que se tornou uma das principais datas comemorativas da cidade. A homenagem ao patrono acontece no busto do ex-prefeito, localizado na Avenida Constantino Pinto, Centro. Logo após o ato solene, começa o desfile pela Rua Coronel Domiciano.

A animação ficará com a Banda Marcial de Muriaé, Professora Odaléia Oliveira Morais de Azevedo, Banda Marcial dos Desbravadores e Banda Marcial Bernadete Carneiro, que prometem contagiar o público com versões instrumentais de sucessos da música popular.

 

Dia da Independência terá desfiles de órgãos da segurança pública, Fundarte e assistência social

Na sexta-feira (7), a Rua Coronel Domiciano volta a ficar movimentada a partir das 8h, desta vez para a celebração do Dia da Independência do Brasil, com a participação de órgãos policiais, militares e de segurança atuantes na cidade. Com o tema "Cidadania - Autores da própria história", neste dia também serão apresentados ao público os serviços oferecidos pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e pela Fundarte. Antes, porém, acontece o hasteamento das bandeiras do Brasil, Estado e de Muriaé, no Paço Municipal.

A concentração dos dois dias de desfile acontece às 8h na Rua Santa Rita e Avenida Constantino Pinto, com encerramento na Rua Desembargador Canêdo.

 

Salto de paraquedistas comemora Dia do Muriaeense

Ainda no dia 6, em comemoração ao Dia do Muriaeense, haverá um salto de paraquedistas do Exército. O salto acontecerá às 14h, no campo do Ginásio Poliesportivo Rodrigo Flores de Abreu “Rodrigão”. Promovida pela Prefeitura, em parceria com o Exército Brasileiro, a iniciativa inédita tem o objetivo de parabenizar os muriaeenses pela data, proporcionando ao público um espetáculo no céu.

O salto contará com a participação de onze militares da equipe Os Cometas, pertencente ao Comando da Brigada de Infantaria Paraquedista do Rio de Janeiro, sendo dez paraquedistas e um piloto.

 

A entrada é gratuita. Haverá ainda atrações para as crianças, como pula-pula e distribuição de pipoca, algodão-doce e picolé.

Serviço

Salto de paraquedistas do Exército:

Data: 6 de setembro (quinta-feira)

Horário: 14h

Local: campo do Ginásio Poliesportivo Rodrigo Flores de Abreu “Rodrigão”

Haverá atrações para as crianças, como pula-pula e distribuição de pipoca, algodão-doce e picolé

Entrada gratuita

 

Desfiles cívicos do Dia do Muriaeense e do Dia da Independência do Brasil:

Datas: 6 e 7 de setembro (quinta e sexta-feira)

Início: 8h

Local: Rua Coronel Domiciano, Centro

 

Confira a programação do desfile do Dia do Muriaeense:

8h - Homenagem ao doutor Antônio Canêdo na Avenida Constantino Pinto, Centro/Abertura: Escola Estadual Walter Vasconcelos   

 - Ala I Tecnologia: escolas municipais Doutor Antônio Canêdo, Maria Hastenreiter Dornelas, Professora Maria Quitéria Perez Schelb e Gilberto José Tanus Braz   

 - Ala II Educação e Cultura: escolas municipais Valdivino dos Santos Mendes, Irene Pereira Dias Nunes, José Miguel Muahad e Professora Terezinha Maria Oliveira Ribeiro - Ala III Esporte e Lazer: escolas municipais Professora Esmeralda Vianna, Professora Zélia de Barros Carneiro, Professora Odaléia Oliveira Morais de Azevedo e Cléria Ticon Carneiro         

 - Ala IV Meio Ambiente: escolas do campo           

 - Ala V Família: escolas municipais Professora Ionyr Bastos Dias, Clara de Castro Rogério, Sebastião Laviola e Maria Aleluia S. Bittencourt

 - Ala VI Diversidade: escolas municipais Professora Stella Fidélis, Joaquim Ribeiro de Carvalho, Nelson Cardoso de Melo e Ricardo Oliveira Morais de Azevedo          

 - Ala VII Solidariedade e Gentileza: escolas municipais Cândido Portinari, Professora Zuleima César de Araújo, Maria do Carmo Cerqueira Castro e Professora Elza Rogério        

 - Encerramento com a apresentação da Banda Marcial de Muriaé 

 

Confira a programação do desfile do Dia da Independência do Brasil:

Início: 8h, com hasteamento das bandeiras do Brasil, do Estado e de Muriaé, no Paço Municipal; logo após acontece o desfile na Rua Coronel Domiciano

Órgãos de segurança pública:

- Tiro de Guerra

- Corpo de Bombeiros

- Penitenciária Doutor Manoel Martins Lisboa Júnior

- Polícia Militar

- Polícia Civil

- Polícia Militar de Meio Ambiente

Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e parceiros:

- Ala I Igualdade de direitos

- Ala II Emprego e renda

- Ala III Educação

- Ala IV Saúde

- Ala V Tolerância religiosa

- Ala VI Respeito às diversidades

- Ala VII Sustentabilidade

- Ala VIII Mobilidade Urbana

- Ala IX Cooperação

- Ala X Lazer/arte/cultura

Fundarte:

- Escola Municipal de Música Leonel Vargas

- Escola municipal de Dança Jorge Rodrigues Barroca

- Escola Municipal de Teatro Gregório de Mattos Guerra e Setor da Juventude

- Escola Municipal de Artes Visuais Moacyr Fenelon

- Escola Municipal de Audiovisual Carlos Scalla

- Biblioteca Municipal Vivaldi Wenceslau Moreira

- Patrimônio Cultural: Folia de Reis, banners do Fórum e Museu do Muriaeense

- Eventos: Festa da Colheita, Boa Família na Rota do Samba, Gastronomia na Serra, artesanato, Festival de Música Estudantil, Associação de Violeiros. Cavalgadas com cavaleiros dos distritos de Macuco e Vermelho encerram o desfile

 

Categoria: Muriaé
Comentários (1) e Compartilhar

Livros vão ampliar acesso à leitura em serviços sociais

Publicado em 03/09/2018 às 17h32

CRAS, Casa Lar e Centro do Idoso receberam material doado por meio de parceria entre Prefeitura e Itaú Social

Os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) da cidade, Casa Lar e Centro de Convivência para Idosos (CCI), instituições socioassistenciais mantidas pela Prefeitura, receberam, na última semana, livros de literatura brasileira e estrangeira infantil, infantojuvenil e juvenil. O objetivo é ampliar o acesso à leitura dos muriaeenses que utilizam esses espaços de convivência.

O material foi doado pelo Projeto Itaú Social, por meio de parceria com a Prefeitura, e serão utilizados pelos usuários da Casa Lar e do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), que acontece nos CRAS e no CCI. “Esses livros vêm agregar ao nosso trabalho a possibilidade de oferecer novas oportunidades às nossas crianças, ao incentivá-las a ter o hábito da leitura”, conta a coordenadora do CRAS Santa Terezinha.

Segundo a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, a intenção é criar bibliotecas dentro desses locais. “A ideia é que possamos, por meio desses livros, facilitar o acesso à leitura, algo que acreditamos fazer a diferença na trajetória de vida das nossas crianças e dos nossos adolescentes”, completa a assessora técnica da pasta.

 

Categoria: Muriaé
Comentários (1) e Compartilhar

Museu Nacional é interditado por recomendação da Defesa Civil do Rio

Publicado em 03/09/2018 às 17h21

Após o incêndio que destruiu o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, Zona Norte do Rio, a Defesa Civil municipal informou que o local está interditado.

Técnicos do órgão identificaram que "existe um grande risco de desabamento, que pode ocorrer com a queda de trechos remanescentes de laje, parte do telhado que caiu e paredes divisórias do prédio". Na área externa, no entanto, a avaliação destaca que "devido à espessura das fachadas, não há risco iminente".

Mesmo assim, na parte externa "foram constatados problemas pontuais, como queda de revestimento, adornos e materiais decorativos (estátuas) fazendo com que a área de projeção das fachadas também permaneça isolada".

Mais cedo, o cenário era outro. Um laudo preliminar apontou não haver risco de desabamento. A declaração foi dada pelo coordenador da Defesa Civil, Luiz André Moreira, em entrevista ao RJTV no fim da manhã desta segunda-feira (3) . Segundo ele, havia uma recomendação de interdição momentânea do prédio.

"A fachada por inteiro nós não verificamos indícios de risco estrutural de colapsar (desabar). Existe, sim (risco interno), em função de trincas que ocorreram na fachada e do revestimento, é possível a queda de partes dos revestimentos, de fragmentos dos adornos, dos beirais e da própria esquadria das janelas que estão danificadas devido ao incêndio", disse Moreira.

 

O coordenador da Defesa Civil disse que o laudo ainda está em fase conclusiva e afirmou que as causas do incêndio serão apontadas pela perícia. Ao RJTV, O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, disse que "há várias hipóteses", mas que curto-circuito e a queda de balão são possibilidades. As Polícias Civil e Federal já abriram inquérito para apurar a razão do fogo.

O incêndio de grandes proporções que começou na noite de domingo (2) destruiu todo o interior do prédio, que tem três pavimentos e mais de 9 mil metros quadrados de área útil. O acervo conta com mais de 20 milhões de itens. De acordo com um bombeiro que participou da operação, a falta de água atrasou o trabalho.

Diretor-adjunto do Museu Nacional, Luiz Fernando Dias Duarte desabafou sobre o que chama de "descaso" das autoridades. Roberto Leher, diretor do Museu, foi mais enfático.

O Museu Nacional fica próximo ao zoológico, mas vistoria feita no local constatou que a saúde dos animais não foi afetada. Por sorte, a fumaça foi levada para outra direção por conta do vento e os bichos não a inalaram.

A mais antiga instituição científica do país abrigava um acervo de mais de 20 milhões de itens que foram consumidos pelo fogo. O Museu Nacional completa 200 anos em 2018 e já foi residência de um rei e de dois imperadores.

Figuras históricas como Albert Einstein, Madame Curie, Santos Dumont e Lévi-Strauss foram visitantes importantes do Museu no século passado. Há 60 anos, Juscelino Kubitschek teria sido o último presidente a visitar o local.

Fonte: G1

 

Categoria: Brasil
Comentários (1) e Compartilhar

Evento no Sul de Minas Gerais aborda inovação tecnológica e cultural em diversos segmentos

Publicado em 29/08/2018 às 16h31

Dentre os mais de 300 showcases, workshops e palestras, HackTown 2018 contará com debate sobre inovação que terá participação de empresas como a ValeCard

Entre os dias 6 e 9 de setembro acontece o HackTown 2018, inspirado no festival norte-americano South by Southwest (SXSW), com o objetivo de promover a inovação tecnológica e cultural por meio da reunião de pessoas com atuação em diferentes segmentos. Realizado em Santa Rita do Sapucaí, cidade do sul de Minas Gerais, o evento contará com mais de 300 palestras, workshops e showcases.

Dentre os temas que serão discutidos na ocasião está um debate sobre inovação e empreendedorismo no interior de Minas Gerais, que contará com a presença de porta-vozes de empresas de Uberlândia, Diamantina e Itabira, compartilhando o processo de construção de seus ecossistemas. A ValeCard, especializada em soluções para Recursos Humanos e Gestão de Frotas, é uma das organizações que falará sobre o assunto com sua Especialista em Inovação, Jeniffer Medeiros.

"O Brasil possui mais de 130 comunidades de startups formadas por meio de iniciativas de empreendedores em regiões que contam com universidades que oferecem cursos na área de tecnologia. Este cenário de inovação é muito favorável não só para a geração de empregos quanto para o desenvolvimento de empresas já estabelecidas no mercado", afirma Jeniffer, que também é CPO da Colmeia, comunidade de startups que fomenta educação empreendedora e inovação.

Com atividades espalhadas por diferentes partes da cidade – desde auditórios e teatros até bares e restaurantes –, o HackTown também contará com palestras de personalidades como a campeã de salto com vara, Fabiana Murer, e do VP de Operações do Nubank, Dennis Wang.

Para mais informações sobre o evento, acesse: http://hacktown.com.br/

Sobre a ValeCard
A ValeCard é uma instituição 100% nacional que está entre as maiores empresas de meios de pagamento eletrônicos do Brasil, a ValeCard oferece soluções completas e integradas para Gestão de Frotas, Benefícios e Financeira. Desde 1995 no mercado e atuando em todo o território nacional, a empresa está entre as três maiores empresas de gerenciamento de frotas do país e entre as 100 empresas mais inovadoras no uso de TI. Com mais de 3 milhões de cartões emitidos pelo Brasil, a ValeCard conta com mais de 115 mil estabelecimentos credenciados. Para atender a demanda, possui 5 regionais e 12 filiais e mais de 1 mil funcionários entre diretos e indiretos.
http://www.valecard.com.br

Categoria: Geral, Minas Gerais
Comentários (0) e Compartilhar

Inscrições para artistas que queiram trabalhar em eventos de cultura em Muriaé foram prorrogadas

Publicado em 29/08/2018 às 14h51

Prefeitura trabalha para abrir novas oportunidades e incentivar cultura na cidade

Um novo chamamento público está aberto até o dia 26 de setembro para receber inscrições do credenciamento de artistas, profissionais de arte e cultura de Muriaé e região. O cadastramento tem como foco a contratação de profissionais de diversas áreas e linguagens, para que estes possam fazer parte de eventos desenvolvidos pela Fundação de Cultura e Artes até março de 2019. O principal objetivo da Prefeitura de Muriaé é abrir novas oportunidades de trabalho e incentivar a cultura na cidade.

O edital já havia sido lançado, porém algumas vagas ainda não foram preenchidas. Vale lembrar que a seleção não oferece nenhum tipo de vínculo empregatício. A contratação dos credenciados será realizada de acordo com a ordem de classificação de cada inscrito e respeitando o calendário de eventos da Fundarte. Podem participar pessoas físicas que estejam ligadas ao teatro, circo, dança, performances, mostras de arte, exibidores, produtores, grafiteiros, malabaristas, músicos, entre outros.

O edital é pioneiro na cidade, sendo uma forma de dar oportunidade para quem tem o dom artístico. "Estamos prorrogando o prazo para que outras pessoas possam se inscrever. Queremos quem tenha a arte nas veias e possa colaborar conosco em eventos e atividades artísticas, mostrando um pouco de seu talento. Pretendemos reunir os melhores profissionais de Muriaé", informou a direção de eventos da Fundação de Cultura e Artes. Os interessados em participar devem entrar no site da Prefeitura, imprimir a ficha para cadastro e entregá-la preenchida, juntamente com a documentação, no setor de licitação da Fundarte.

 

Serviço:

Prorrogação do Chamamento Público para Credenciamento de Artistas de Muriaé e região

 

Período: Inscrições até o dia 26 de setembro

Endereço para inscrição:

http://www.muriae.mg.gov.br/site/cultura/

Entregar documentação e ficha cadastral na própria Fundarte – Avenida Constantino Pinto, 400 – Armação

Horário: 9h às 11h e de 14h às 17h – Setor de licitação da Fundarte

Outras informações: 3696-3385 ou 3696-3395

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

Oficina de arte da Prefeitura oferece curso para modelagem em argila

Publicado em 27/08/2018 às 14h17

 

 

Objetivo é incentivar produção artística e proporcionar novas fontes de renda para participantes

Uma oficina de arte está sendo oferecida gratuitamente pela Prefeitura, por meio da Fundarte, para jovens e adultos de Muriaé. O curso de modelagem “Molde Perdido”, tem como orientador o artista plástico Sérgio Sabo. As aulas, que acontecem no Centro Educacional Dom Delfim, de segunda a sexta-feira, de 13h às 17h, ensinam a criar esculturas em argila sob a ótica de técnicas milenares. O curso incentiva o lado artístico, mas também busca ensinar a cada participante a criar mini-esculturas, podendo ser produzidas para decoração de casa ou mesmo como uma nova fonte de renda.

“Molde Perdido” é uma forma utilizada na antiguidade para criar esculturas em argila. Consiste em transformar uma modelagem de barro em uma de gesso, criando um molde para outras peças. Também haverá procedimentos para aprendizado das técnicas de pintura em patina. “A técnica é ancestral, utilizada pelos egípcios, para produção da estatuária em gesso. O curso terá 30 horas. Vamos ensinar aos alunos a criar um novo modelo de arte”, explicou o professor e orientador Sérgio Sabo. A aluna Lucinete Freire já trabalha com artesanato em cimento e argila e decidiu se matricular na oficina para aprender o novo método. “O curso foi uma grande oportunidade para mim. Fiz a inscrição com muita satisfação e vontade de aprender coisas novas. Vou usar as novas técnicas para trabalhar. Já faço moldes com cimento e argila e agora vou aprender a trabalhar com gesso. Estou aperfeiçoando as minhas técnicas e ampliando os meus conhecimentos”, disse a aluna artesã.

As inscrições ainda podem ser feitas, pois as aulas continuam até o dia 31 de agosto. “Estamos oferecendo este curso sob a orientação de um filho de nossa terra, o nosso grande artista plástico Sérgio Sabo. Para quem ainda não se matriculou, ainda há tempo. A oportunidade está ensinando uma nova técnica e ofertará a experiência de desenvolver um novo modo de arte, podendo gerar uma fonte de renda para os futuros artesãos”, afirmou o prefeito.

 

Serviço:

Oficina de arte “Molde Perdido” – curso gratuito

Dias: segunda-feira a sexta-feira

Horário: De 13h ás 17h

Local: Centro Educacional Dom Delfim – Rua Itagiba de Oliveira, s/n – bairro da Barra

Público-alvo: idade livre

Período: Até 31 de agosto

 

Categoria: Muriaé
Comentários (0) e Compartilhar

left show tsN fwR fsN|left fwR tsN|left show fwR tsN|bnull|||login news c05|fsN fwR normalcase c05 tsN|c05|login news fwR normalcase c05|tsN fwR c05 normalcase|normalcase fwR c05|content-inner||