• Professor Elias Santos

Menino com AME se emociona ao rever pai após 2 meses: Covid



Sabe aquele choro “sentido”, de alegria? O Samuca, um menino brasileiro que tem AME, se emocionou o reencontrar o pai, que teve Covid e ficou dois meses longe da família – sendo um mês e três dias internado em estado grave.

O reencontro emocionante dos dois foi exatamente no Dia dos Pais e o vídeo foi postado nesta terça, 11 no Instagram. O pai teve que consolar o filho e acabou se emocionando também.

“Quando ele me viu, ficou chorando e também meu coração não aguentou. Comecei a chorar junto. Eu expliquei pra ele que fiquei doente, estava no hospital e precisei ficar longe dele. Aí ele parou de chorar, ficou olhando pra mim e se acalmou”. contou Estevam Júnior em entrevista ao SóNotíciaBoa.

O garotinho Samuel Estevam tem 6 anos, “não se mexe, não fala, mas entende tudo”, disse a irmã dele, Ana Vitória, de 15 anos, ao SNB.

O pai, Estevam Júnior, de 37 anos, é caminhoneiro autônomo e mora no Recife, Pernambuco.


Curado


Estevam passou por semanas difíceis. Ele ficou intubado na UTI e a tensão na família foi grande.

Quando retornou do hospital, o pai estava fraco porque perdeu massa muscular depois do tratamento.

Mas felizmente tudo terminou bem, ele está se recuperando aos poucos e agora a família está reunida novamente pra continuar na luta.


Vaquinha


Samuca tem AME – Amiotrofia muscular espinhal ­+ Olivopontocerebelar.

Por ter as duas doenças ele não tem indicação médica para fazer tratamento com o remédio Spinraza, que é caríssimo. Cada dose custa por volta de R$ 145 mil.

Samuca recebe tratamento em homecare, ou seja, em casa, o que ajuda a evitar contaminação pelo novo coronavírus.

Depois de uma vaquinha, a família conseguiu comprar uma cadeira de rodas adaptada para o menino.

“Conseguimos fechar os R$ 14 mil, depois que uma pessoa doou R$ 9 mil e já compramos a cadeira”, agradeceu a irmã Ana Vitória.


Dívidas


“Agora vamos continuar a campanha para pagar as contas de energia aqui de casa que estão atrasadas há um ano. Os equipamentos do Samuca e o condicionado têm que ficar ligados direto. As contas são altas e o trabalho do meu pai não é certo, não tem dinheiro fixo”, explicou Ana Vitória.

As contas giram em torno de 600 reais por mês e o acumulado da dívida já passa de R$ 7.900, fora os juros que serão cobrados na hora de acertar as contas.

Mas Estevam sabe que problemas financeiros têm jeito. O importante agora é estar vivo.

“Sou grato a Deus porque estou salvo e Ele me deu uma nova vida”, concluiu o pai.


Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa